O Museu da Cultura Cearense (MCC) é um museu etnográfico que tem como proposta promover a difusão, a fruição e a apropriação do Patrimônio Cultural do Estado do Ceará, mediante ações museológicas de pesquisa, preservação e comunicação, visando a inclusão e desenvolvimento sociocultural.

O MCC busca tornar-se um espaço inclusivo, de produção de conhecimento por meio da relação entre educação formal, não-formal e informal; e expressar a cultura cearense de forma contextual e reflexiva: seus conflitos, contradições e temporalidades, valorizando a produção cultural dos cearenses, sua criatividade e diferentes formas de ser, estar no mundo, relacionar-se com o meio ambiente e com outros sujeitos sociais.

 

 

 

///// EXPOSIÇÕES

 

Exposição "Miolo de Pote: a cerâmica cearense primitiva e atual" [Salas 3 e 4]

Reúne uma série de peças feitas de barro, a mostra apresenta o dinamismo e vivacidade desta arte ancestral e milenar, no Ceará, além de trazer ainda a contribuição de artistas plásticos e visuais como Bosco Lisboa, Gentil Barreira e Tiago Santana.

Potes, panelas, alguidar, caco de torrar café, brinquedos. A exposição Miolo de Pote revela um Ceará uno e múltiplo, similar e diverso, em dia com as heranças indígenas, africanas, ibéricas. “Primitiva e atual, a arte no barro mantém características próprias em cada localidade ou região, seja no tipo de material, no desenho, nas técnicas, seja no resultado final”, define a curadora Dodora Guimarães. Além dela, a mostra tem ainda a contribuição curatorial da historiadora e diretora de museus do Centro Dragão do Mar, Valéria Laena.

Miolo de Pote reúne, sobretudo, duas coleções públicas: a do Museu da Cultura Cearense (Instituto Dragão do Mar), feita entre 1997 e 1998, que cobriu a Região do Cariri, Saboeiro e Iguatu; e a da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Governo do Estado do Ceará), adquirida em 2005 e 2006, durante o Projeto Secult Itinerante, que percorreu todo o Estado. Algumas peças advindas do Projeto Comida e da exposição O Fabuloso Mundo do Barro, ambos do MCC, enriquecem a mostra que conta ainda com a participação dos artistas plásticos e visuais Bosco Lisboa, Gentil Barreira, Liara Leite, Sabyne Cavalcanti, Tiago Santana, Tércio Araripe, Terry Araújo e Túlio Paracampos.

 

Instalação de Bosco Lisboa
Em julho, o MCC e o artista Bosco Lisboa desenvolveram uma oficina gratuita, aberta ao público, cujas peças produzidas agora são parte de uma instalação inédita, nesta exposição. Nas aulas ministradas de 19 a 22 de julho, no ateliê da Praça Verde do Dragão do Mar, o artista ensinou as técnicas para se trabalhar com argila.

Natural de Juazeiro do Norte (CE), Bosco desenvolveu, por mais de dez anos, uma pesquisa com artesãos do Sítio Touro e do bairro Tiradentes, tradicionais redutos da cerâmica de sua cidade natal. Em 1994, passou a moldar o barro tendo em vista sua relação com o cotidiano. Por seu trabalho, recebeu menção honrosa no Salão dos Novos em 1993, em Fortaleza. Entre as exposições coletivas de que participou, destacam-se 1ª Bienal do Cariri (Juazeiro do Norte, 2001), Bienal Naif’s (Sesc Piracicaba, 2004) e Projeto Abolição Tudo É de Barro, no Centro Cultural do Abolição (Fortaleza, 2005).

 

Acessibilidade

Essa exposição oferece recursos acessíveis para proporcionar autonomia ao público. Disponibilizamos: textos em Braille, textos com letras ampliadas, peças que podem ser tocadas, vídeo de Libras e mediação especializada

Em cartaz até 31 de março de 2017, no Piso Intermediário do MCC. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

Exposição do "Narrativas e Alteridade - O outro de nós" [Encontros de Agosto 2016]


Foto: Chico Gomes

A partir do tema “Narrativas e Alteridade”, o festival Encontros de Agosto 2016 propôs que fotógrafos dos nove estados do Nordeste fossem além das próprias fronteiras, trazendo e potencializando imagens de lugares e sujeitos imaginados. O público poderá contemplar na exposição questões universais a partir das realidades locais, percebendo aproximações e diferenças. 

Esta exposição é composta de mostras coletivas de fotógrafos cearenses e dos demais estados do Nordeste. “As narrativas visuais têm como fundamento a alteridade, traduzida e discutida pelo olhar de 54 fotógrafos, sendo 23 deles cearenses. É uma oportunidade única dos espectadores verem essa rica produção nordestina em um só local. São mais de 300 fotos”, explica a coordenadora geral do evento, Patricia Veloso.

Os intercâmbios abrem canais de comunicação para circuitos nacionais e internacionais. Após a exibição no Ceará, as mostras serão adequadas para uma exposição itinerante. Mais sobre o Encontros de Agosto: www.encontrosdeagosto.com.

Em cartaz até 31 de março de 2017, no Piso Superior do MCC. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

Exposição Vaqueiros [Sala 4] [Mostra Permanente]


Foto: Marina Cavalcante


Em exibição no Museu da Cultura Cearense desde 1998, a Exposição Vaqueiros arrebata o público que nela identifica traços de sua cultura e costumes. A exposição ao longo dos anos enriquece os saberes, instiga reflexões, desperta emoções. Nela revelam-se inúmeros elementos que possibilitam rememorar e reconstruir o que se compreende como o universo sertanejo.

Na exposição, você conhecerá o vaqueiro como profissional, sertanejo, trabalhador, conhecedor de inúmeras funções e do meio em que habita, capaz de inúmeros feitos, viajará pelas humildes manifestações do cotidiano, religiosidade e festividades e testemunhará particularidades como a habilidade com o artesanato do couro, as práticas da derrubada e da cria do gado, dentre outras.

 

 


Foto: Marina Cavalcante

 

 


Foto: Marina Cavalcante

 

No Piso Inferior do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA DO MCC

É composto por estagiários estudantes de graduação na área das Ciências Humanas que desenvolvem estratégias de mediação para o público, levantando reflexões específicas e interdisciplinares sobre as exposições e obras expostas, aguçando o olhar e a sensibilidade dos participantes, aprofundando sua criticidade e percepção. Além das escolas, também desenvolvemos mediações para grupos universitários, ONG’s, projetos sociais, grupos comunitários, dentre outros.

 

Agendamento de grupos para visitas às exposições

Partindo das especificidades de um museu etnográfico, o Núcleo de Ação Educativa do MCC objetiva formar educadores para atender ao público agendado e espontâneo. Composto por uma equipe multidisciplinar, realiza mediações com as mais variadas temáticas relacionadas à cultura popular trazidas pelas suas exposições.

Mediações
Os educadores do MCC proporcionam três tipos de mediações aos seus visitantes:

  • Mediação simples: mediação rápida, mais orientadora, destinada ao público não agendado e espontâneo. Duração de até 20 min.
  • Mediação ampliada: mediação problematizadora, formadora, que instiga o visitante a refletir de forma crítica sobre a exposição. Duração de até 01h30min.
  • Mediação com oficina: mediação mais prolongada, pois além de ter como ponto central a reflexão, nesta visita atividades de arte-educação são vivenciadas. Por exemplo: teatro de fantoche, desenho, contação de história, roda de conversa e oficinas de acordo com a exposição em cartaz. Duração de até 2hs.

 

O agendamento dos museus do CDMAC pode ser feito de segunda a sexta, das 9h às 17h. Não é fornecido transporte.

Contato: (85)3488.8621
E-mail: agendamentomuseus@gmail.com

 

Visitas mediadas para portadores de deficiência auditiva, com intérprete de Libra: sextas-feiras, das 12h às 18h30.

 

 

Curso Atendimento à Diversidade

O Projeto Acesso está realizando - de 14 a 24 de março e de 4 a 14 de abril - Curso de Atendimento à Diversidade dirigido aos educadores do Museu da Cultura Cearense (MCC) e Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE). Por intermédio de diálogos e práticas acerca de Orientação e Mobilidade, Sistema Braille, Tecnologia Assistiva e Audiodescrição, os educadores de museus terão a possibilidade de compreender o universo das pessoas cegas e de baixa visão e propiciar a este público de museus uma experiência inclusiva.

 

 

 

 

 

 

 

NÚCLEO DE PESQUISA, CULTURA E MEMÓRIA - NPCM

O Núcleo de Pesquisa, Cultura e Memória objetiva a realização de pesquisas a partir da observação, análise e interpretação do patrimônio cultural do Estado do Ceará. Visa fortalecer a produção de conhecimento no âmbito do museu. A pesquisa garante vitalidade ao MCC, agrega sentido ao acervo, cria base de informação para os usuários, formula conceitos e proposições para as exposições, estimula a reflexão e produção de interpretações do mundo e da sociedade.
Atua ainda na documentação, aquisição de acervos, processamento técnico de documentos (fontes escritas, orais, iconográficas e áudios-visuais) e publicação, por meio do projeto editorial da Coleção Museu da Cultura Cearense – Série Cotidiano e Trabalho/ Série Memória e Oralidade. O NPCM atua em parceria com os demais núcleos do MCC, compreendendo a indissociabilidade entre pesquisa e educação.

 

 

PROJETO COMIDA CEARÁ

Foto: Maurício Albano

O Projeto Comida Ceará, uma das principais pesquisas desenvolvidas atualmente, consiste em um trabalho continuado de pesquisa etnográfica das práticas alimentares das diversas regiões do Ceará. Realiza uma leitura complexa e dinâmica dos sistemas alimentares cearenses, sua diversidade e tradição inventiva. O Projeto tem como eixo estimular a interpretação dos significados possíveis que a alimentação assume na vida local e documentar acervos, valorizando e divulgando esse patrimônio, através de ações como exposições e publicações.


Desde 2008, a pesquisa de campo, realizada em 100 localidades de 63 municípios do Estado, gerou um amplo acervo de 48 mil fotografias, 1.524 objetos e 330h de registros orais em 698 entrevistas que revela o universo plural da comida cearense e das intensas trocas e sentidos que a entremeiam. A partir desses materiais diversos produtos e ações serão realizados, com destaque para uma exposição de longa duração. Tais ações objetivam a publicidade dos conhecimentos e acervos adquiridos, incentivando a reflexão sobre os sistemas alimentares cearenses e sua relação com diversos setores, entre os quais, educativo, econômico, turístico e cultural.

 

Foto: Maurício Albano

 

Foto: Maurício Albano

 

Foto: Maurício Albano

 

 

Diálogo Cultural

Seguindo uma diretriz do MCC, a de tornar o museu um espaço de aprendizagem, reflexão e debate, foi criado o projeto Diálogo Cultural, no qual é estimulada a discussão de temas diversos, relacionados às questões da cultura e suas relações com o espaço do museu. Trata-se de um encontro descontraído e dinâmico, aberto para o público em geral, em que convidados e pessoas da equipe do MCC conversam com os presentes sobre um tema específico. Esta ação é fruto do trabalho conjunto dos diversos Núcleos do MCC, sendo o planejamento e execução compartilhados pelos NPCM e NAE.

 

 

 

 

 

NÚCLEO DE MEDIAÇÃO SOCIOCULTURAL

O Núcleo de Mediação Sociocultural tem a proposta de ser o elo fundamental de aproximação do MCC com a sociedade, atuando de forma participativa para promover a inclusão das populações distanciadas do acesso aos museus a partir das seguintes ações:

 

PROJETO ACESSO


Foto: Éden Barbosa

 

O Projeto Acesso do Museu da Cultura Cearense, do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, iniciou suas atividades no ano de 2006, em parceria com representantes de instituições locais, com a proposta de fortalecer processos identitários e vínculos culturais das pessoas com deficiência, e colaborar na construção de espaços inclusivos no âmbito museológico e cultural. As ações do Projeto Acesso são centradas na pesquisa, educação, mediação sociocultural e comunicação.

No campo da pesquisa, o propósito é desenvolver estudos continuados com enfoque na promoção da acessibilidade aos museus e espaços culturais e identificar necessidades, expectativas, percepções, experiências e criatividades a partir de uma escuta ativa e atenta à riqueza de contribuições que o público alvo do projeto pode trazer aos museus, uma ação iniciada com a realização do estudo do público visitante com deficiência visual da exposição “Na ponta dos Dedos”, em 2009, em parceria com o Observatório de Museus e Centros Culturais.

No âmbito da educação e mediação sociocultural, o objetivo é criar ambientes educativos com atenção às necessidades do público alvo, mediante o planejamento de mediações para as exposições do Museu da Cultura Cearense; a criação de distintos recursos expositivos, novas tecnologias, linguagens e instrumentos de acessibilidade; a formação do público-alvo e dos educadores dos museus, com destaque para o programa "Museus em suas mãos", o qual tem o propósito de promover atividades antes, durante e depois da visita ao museu para alunos (as) de escolas e instituições que atendem pessoas com deficiência, atividades estas construídas em conjunto com professores (as), além de cursos, oficinas, projetos e atividades variadas relacionadas ao âmbito museológico.

Na área de comunicação, realiza-se a socialização das experiências do projeto no âmbito acadêmico, museológico e cultural, contribuindo para o compartilhamento de pesquisas realizadas, ideias e conhecimentos sobre acessibilidade aos museus.

 

 

Programa “O Museu em suas Mãos”

Professores (as) de escolas e instituições que atendem pessoas com deficiência são convidados (as) a participar da construção de ações educativas para as exposições temporárias. Cada professor (a) realiza atividades nas escolas, preparando os alunos (as) para a visita à exposição e estimulando a produção de materiais para serem expostos no Museu. Assim o grupo formado por professore (as) e alunos (as), durante a visita à exposição, tem a oportunidade de vivenciar uma autêntica experiência museológica, apreciar a própria criação e perceber a capacidade do museu para favorecer o protagonismo, o auto-reconhecimento e o reconhecimento do outro (a). 

 

 

Formação de educadores de museus


Foto: Éden Barbosa

 

São oferecidos cursos, palestras, seminários e oficinas periodicamente (curso de LIBRAS, Áudio-descrição, Orientação e Mobilidade, entre outros) aos educadores dos museus do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e ao público.

 

 


Exposições Acessíveis


Foto: Marina Cavalcante

As exposições temporárias apresentam textos e legendas em Braille, tinta e LIBRAS; maquetes táteis, obras e objetos táteis, áudio-descrição de vídeos e de exposição, cadeira de rodas, rampas, e educadores para acompanhamento do público.

 

 


VAQUEIROS


Foto: Marina Cavalcante

O Projeto Acesso do Museu da Cultura Cearense disponibiliza um conjunto de recursos acessíveis tais quais: réplicas de alguns objetos da exposição; imagens táteis; mediações acessíveis; textos didáticos disponíveis para pessoas com baixa visão, em Braille e em voz sintetizada; vídeo em Libras; audiodescrição; educadores capacitados para receber e orientar o público.

 

 

 

Projeto museu e cidadania cultural

 

Exposição "Mucuripe no Mar das Memórias"       


Foto: Marina Cavalcante

                  
Curso de capacitação para jovens lideranças das comunidades localizadas nas proximidades do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, com o objetivo de promover a inclusão dos coletivos distanciados do acesso aos bens culturais. A partir de visitas a museus e espaços culturais, práticas de pesquisa sobre o patrimônio da comunidade e produção de exposições na comunidade onde vivem, os alunos e alunas compreendem o patrimônio cultural e natural como um resultado de práticas sociais e culturais de múltiplos e diferentes agentes socioculturais, além de incorporar sentimentos de pertencimento e reconhecimento do outro (a), adquirir novos conhecimentos e experiências e participar do mercado de trabalho museológico. Até o momento foram realizados três cursos para 80 jovens moradores das comunidades do Poço da Draga, Arraial Moura Brasil e Mucuripe.

 

 

 

 

NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA


Foto: Éden Barbosa

 

A ação educativa é, na atualidade, a essência do trabalho museológico e da instituição museu, pois é o movimento de ação e reflexão que estimula a produção do conhecimento e amplia as dimensões de valor e de sentido das ações de pesquisa, preservação e comunicação, bem como do patrimônio cultural de cada individuo e da coletividade.


A proposta educativa do MCC se inspira no pensamento do educador Paulo Freire, que tem influenciado diversos campos do conhecimento, inclusive o da Museologia com suas ideias sobre educação. A equipe do educativo é multidisciplinar, constituída por uma coordenadora, assistente de coordenação e estudantes de graduação de várias áreas do conhecimento.


Visitas Mediadas

O Núcleo de Ação Educativa do MCC é referência para grupos escolares de Fortaleza e do estado do Ceará, recebendo anualmente cerca de 300 grupos, que conhecem, desfrutam, pesquisam e retornam para aprender e se emocionar com suas exposições.

Para estes grupos, o Núcleo de Ação Educativa desenvolve atividades de mediação, levantando reflexões específicas e interdisciplinares sobre as obras expostas e a própria exposição, aguçando o olhar e a sensibilidade dos participantes, aprofundando sua criticidade e percepção.

Além das escolas, também desenvolvemos mediações para grupos universitários, ONG’s, projetos sociais, grupos comunitários, dentre outros.

As visitas mediadas do MCC dividem-se em:

  • Mediação simples: rápida, com intuito de orientar, destinada ao público não agendado e espontâneo. Dura cerca de 10 min.
  • Mediação ampliada: problematizadora, formadora, instiga o visitante a refletir de forma crítica sobre a exposição. Dura cerca de 1h15min.
  • Mediação com oficina: prolongamento da mediação ampliada, pois além de ter como ponto central a reflexão, são realizadas atividades complementares, como por exemplo: teatro de fantoche, desenho, contação de história, roda de conversa e oficinas de acordo com a exposição em cartaz. Dura até 2h.

 


Foto: Marina Cavalcante

 

 

 

Projeto Museu Vai à Escola


Foto: Éden Barbosa

 


O Projeto Museu Vai à Escola iniciado em 2010, tem o intuito de aproximar do MCC as escolas do entorno do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Primeiro, o Núcleo Educativo visita as instituições escolares, levando a peça “Um Dragão Chamado Chico”, de autoria da artista e ex – educadora do MCC, Josélia Pereira, para as crianças entre os 4 e 10 anos. Para as demais faixas etárias o encontro se efetiva por meio de um diálogo sobre as exposições do MCC e também mediante minicursos e oficinas sobre o patrimônio cultural por este representado. Posteriormente, as escolas visitadas são convidadas a conhecer o Museu da Cultura Cearense – MCC.

 

Formação de professores
As ações museológicas devem ser pensadas de forma integradas e compartilhadas entre escola e museu, tendo em vista o antes, o durante e depois da visita.  Assim sendo, a “Ação Reflexão” torna-se mais rica de significados, tanto para o MCC, quanto para a Escola.


Considerando a diversidade do público visitante o MCC pensou em diferentes tipos de mediações. Contudo, o nosso foco central é o público escolar, para o qual o Núcleo Educativo ampliará suas ações didático-pedagógicas, por meio do Projeto de Formação de Professores para visita ao museu.


O foco do projeto serão, inicialmente, os professores das escolas com visita agendada para o MCC. Os mesmo serão convidados a conhecer e discutir previamente as exposições e a proposta de mediação para sua turma, fortalecendo, deste modo, a relação museu-escola.

 

 

 

 

 

NÚCLEO DE DOCUMENTAÇÃO E CONSERVAÇÃO



O Núcleo de Documentação e Acervo possui um Banco de Dados sobre as coleções do MCC, sistematizado a partir do programa Donato, cedido pelo Museu Nacional de Belas Artes. Criado a partir de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Governo Federal e Governo do Estado do Ceará, a ação é um instrumento importante para a preservação e o desenvolvimento de práticas museológicas dirigidas às atuais e futuras gerações, possibilitando o acesso participativo a um acervo referencial do patrimônio material e imaterial do povo cearense, com suas práticas, expressões, conhecimentos, técnicas, objetos, artefatos e lugares, comunidades, grupos, e indivíduos.


O MCC opera com dois tipos de acervos: o INSTITUCIONAL (acervo objetual, iconográfico, oral, etc.) e OPERACIONAL (estruturas, monumentos, equipamentos, etc.) e utiliza técnicas conservacionistas para salvaguardar o acervo e o espaço físico do MCC de modo a garantir a preservação de 5.630 objetos, 1.150 fotografias em papel, 48.000 imagens digitais, 330h de acervo oral, 5.000 cromos, 1.150 fotografias em papel, 10.000 folhetos de cordel.

 

 

 

CONTATOS

- Núcleo de Ação Educativa
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira de 9h as 12h e 14h às 17h30
Contato: (85) 3488.8621
E-mail: educativomcc@dragaodomar.org.br 

- Projeto de Mediação Sociocultural
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira de 9h as 12h e 14h às 17h30
Contato: (85) 3488.8621/3488.8611
E-mail: mediacaoculturalmcc@dragaodomar.org.br 

- Núcleo de Pesquisa, Cultura e Memória.
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira de 14h às 17h30
Contato: (85) 3488.8621/3488.1945 

- Núcleo de Documentação e Conservação
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira de 9h as 12h e 14h às 17h30
Contato: (85) 3488.8621

 HORÁRIO DE VISITAÇÃO

Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h; e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h. Gratuito.
O Museu está localizado no piso térreo, na entrada principal (Avenida Presidente Castelo Branco) do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema). Outras informações: (85) 3488.8621/3488.8611 ou mcc@dragãodomar.org.br

 

Catalogação do Acervo do Museu é patrocinada pelo BNDES/Governo Federal.

CENTRO DRAGÃO DO MAR DE ARTE E CULTURA

Rua Dragão do Mar 81, Praia de Iracema - CEP: 60060-390 - Fortaleza/CE - CNPJ: 02.455.125/0001-31
Informações gerais: 55 (85) 3488 8600 / 55 (85) 3488 8608