PROGRAMAÇÃO
PROGRAMAÇÃO
O que ver no DragãoMuseu da Cultura Cearense - MCC

 

Exposição de longa duração "Vaqueiros" (foto de Luiz Alves)

 


     O Museu da Cultura Cearense (MCC) é um museu etnográfico que tem como proposta promover a difusão, a fruição e a apropriação do Patrimônio Cultural do Estado do Ceará, mediante ações museológicas de pesquisa, preservação e comunicação, visando a inclusão e desenvolvimento sociocultural. O MCC busca tornar-se um espaço inclusivo, de produção de conhecimento por meio da relação entre educação formal, não-formal e informal; e expressar a cultura cearense de forma contextual e reflexiva: seus conflitos, contradições e temporalidades, valorizando a produção cultural dos cearenses, sua criatividade e diferentes formas de ser, estar no mundo, relacionar-se com o meio ambiente e com outros sujeitos sociais.

     Em decorrência do aumento do número de casos de coronavírus, o complexo cultural recomenda que os seus visitantes sigam com o calendário vacinal atualizado e preservem o uso de máscara.

 

 

Horário de funcionamento
 

Visitas de terça a sexta, das 9h às 18h (com acesso até as 17h30), e aos sábados, domingos e feriados, das 13h às 18h (com acesso até as 17h30).
Acesso gratuito e livre. 
Mais informações: (85) 3488.8624 


 

Agendamento de grupos 

O agendamento de grupos (limite de até 50 pessoas) pode ser feito de segunda a sexta, das 10h às 16h, pelo formulário
As visitas mediadas em grupo acontecem, preferencialmente, de terça a sexta, das 9h às 16h, e aos sábados, domingos e feriados das 10h às 16h, mediante agendamento prévio. São disponibilizadas também mediações programadas em Libras, mediante solicitação prévia.
Mais informações: (85) 99271-1315 e pelo e-mail agendamentosmuseus.cdmac@idm.org.br.


 

EM CARTAZ

 

Habitantes

 


 

     Em cartaz até 26 de fevereiro de 2023, "Habitantes", do fotógrafo Celso Oliveira, reúne cerca de 60 fotografias em tamanhos variados e projeções que retratam pessoas em seus vários recantos, sendo a maioria dos registros pelo Nordeste do Brasil, entre 1975 e 2022. A comemorativa exibição conta com o apoio institucional da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult-CE), por meio do edital Mecenas, e tem patrocínio da Coca-Cola. A mostra dispõe de recursos de acessibilidade, como mediação inclusiva com intérprete de libras, audiodescrição, textos e legendas em braille e letras ampliadas, além de vídeo com tradução em libras. Além de convidar o público a fazer um "passeio" pela obra de Celso Oliveira, "Habitantes" apresenta as visões do artista acerca da condição humana, propondo uma leitura sobre a identidade cultural dos povos latino-americanos, a partir da forma poética com que o seu olhar capta o ser humano em diferentes estados de vivências. Segundo Valéria Laena, Assessora de Museus do Dragão do Mar, a mostra é também uma revisitação à potente produção do artista visual ao longo dos 48 anos de carreira que o consagraram como "mestre das imagens humanizadas". Saiba mais AQUI.

 


Vaqueiros 



 

     Inaugurada em 28 de abril de 1999,  a exposição de longa duração Vaqueiros, localizada no piso inferior do Museu da Cultura Cearense, é o carro-chefe do MCC e já recebeu mais de 1 milhão de visitantes, compondo o circuito cultural de turistas e moradores da cidade. Nela, encontram-se elementos que possibilitam rememorar e reconstruir o que, tradicionalmente, compreende-se como cultura sertaneja. A exposição etnográfica resulta de pesquisa coordenada pela historiadora Valéria Laena no período de 1998-1999, com equipe multidisciplinar formada por museólogos, antropólogos, historiadores, documentalistas e fotógrafos em expedição pelo sertão cearense.


     A pesquisa gerou um acervo de cerca de 130 peças, formando a coleção Vaqueiros que compõem uma museografia permeada de fotografias da vegetação da caatinga, retratos de vaqueiros (as); de instalações (casa do ferreiro, casa do seleiro, casa de vaqueiro, cercas, chocalhos, casarões de Icó-CE, sons do aboio); de vestimentas de couro (gibão, chapéu, luvas e botas de couro); utensílios domésticos de couro (cama, bancos); de utensílios de trabalho (marcas de ferrar, selas, chicotes, carros de boi); além de vídeo da vaquejada, e de elementos de festividade e religiosidade (máscaras de reisado, imagens de santos). Desta forma, os diversos públicos reconhecem o vaqueiro enquanto personagem simbólico na história e cultura cearense, oriundo de contexto social onde surgiram e se fixaram costumes e saberes oriundos de intrínseca relação com o sertão; identificam suas referências culturais; enriquecem com novos saberes, reflexões, emoções; viajam pelas manifestações de religiosidade e festividades; e testemunham a habilidade com o artesanato do couro, as práticas da cria e da derrubada do gado.

 

 


PROGRAMAÇÃO EM FEVEREIRO

 

Vivência artística-cultural no ateliê de Fotopintura do mestre Júlio Santos.

Dias 1ª, 3, 8, 10, 15, 17 e 24 - Quartas e sextas, das 9h às 11h e 14h às 16h. Gratuito. Livre. Necessário agendamento prévio via formulário virtual.

Com uma vida inteira dedicada à arte e ofício da fotopintura, Mestre Júlio Santos, nosso patrimônio maior, abre seu ateliê para visitas de públicos diversos, especialmente profissionais, amadores e diletantes da arte e do ofício da fotografia. Os visitantes poderão vivenciar o Espaço de Fotopintura, o Mestre Júlio Santos, sua experiência e seu conhecimento. 

 

Curso de iniciação à Língua Brasileira de Sinais - módulo I

Dias 1º, das 14h às 17h, em sala do Google Meet para inscritos. Gratuito. Livre. Necessário agendamento prévio via formulário virtual. Inscrições encerradas


 

Visita Guiada com o fotógrafo Celso Oliveira na exposição Habitantes

Dia 25, às 15h. Gratuito. Livre. Duração: 60 min. Necessário agendamento prévio via formulário virtual.

 


 

PARCEIROS