FUNCIONAMENTO DO CENTRO DRAGÃO DO MAR

 

Geral: de segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. Bilheteria: de terça a domingo, a partir das 14h.
Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco: de terça a domingo, das 14h às 22h.
Museus: de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); sábado, domingo e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.
Multigaleria: de terça a domingo, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

OBS.: Às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria e bilheterias.

 

 

 

 

 

 

 

   PROGRAMAÇÃO

 

 

 

 

 

[ASTRONOMIA] NOITE DAS ESTRELAS

 

 

Todos os meses, sempre nas noites de Quarto Crescente Lunar, o planetário disponibiliza telescópios ao público em geral para observação astronômica de Crateras da Lua, Planetas, Nebulosas etc.

 

Dias 1° e 2 de junho de 2017, das 19h às 21h, em frente ao Planetário. Acesso gratuito. Em caso de céu nublado, a atividade poderá ser interrompida ou cancelada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[CINEMA] 11ª MOSTRA CINEMA E DIREITOS HUMANOS

 

 

Começa dia 1º e segue até 7 de junho de 2017, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, a programação em Fortaleza da 11ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos. A Mostra, que teve início dia 8 de maio, em Rio Branco, no Acre, e termina dia 25 de junho, com sessões no Rio de Janeiro, está sendo realizada nas 26 capitais do país e no Distrito Federal, em centros culturais, instituições públicas e privadas e escolas. A Mostra Cinema e Direitos Humanos é uma realização do Ministério de Direitos Humanos, com produção nacional do Instituto Cultura em Movimento – ICEM e patrocínio da Petrobras e do Itaú.

 

Nesta edição, o circuito principal conta com 29 filmes entre curtas, médias e longas-metragens, divididos em três mostras: Panorama, Temática – que abordará questões de gênero, e Homenagem – com foco na obra da cineasta Laís Bodansky. Uma novidade este ano é a Mostrinha, voltada para o público infanto-juvenil e que exibirá outros 8 curtas-metragens.

 

Em cada capital, a Mostra fica em cartaz de cinco a seis dias e a expectativa é receber um público de mais de 30 mil pessoas em todo o país. Todas as exibições são gratuitas. No site http://mostracinemaedireitoshumanos.sdh.gov.br é possível ver a programação completa e acompanhar quais sessões serão seguidas de debate e quais terão audiodescrição.

 

Mostra em Fortaleza - A programação na capital cearense terá dois dias de debates após as sessões. Sábado, dia 3, após a exibição do filme Meu nome é Jacque, programado para às 16h, participam do debate as militantes da causa LGBT, Dediane Souza, Coordenadora Adjunta na Coordenadoria da Diversidade Sexual da Secretária Municipal de Cidadania e Direitos Humanos da Prefeitura Municipal de Fortaleza; e Ari Areia, estudante de Comunicação Social e Jornalismo pela Universidade Federal do Ceará. Desde 2006, participou de diversas obras artísticas e ganhou vários prêmios. Também estará na mesa Marseille Carvalho. Graduada em Audiovisual e Novas Mídias pela Universidade de Fortaleza, seu trabalho de conclusão de curso foi um estudo analítico sobre a série Liberdade de Gênero, de João Jardim, exibida no canal GNT.

 

Domingo, dia 4 de junho, após a sessão das 16h, quando será exibido o documentário Precisamos Falar do Assédio, haverá debate com a participação de Lola Aronovich, Professora do Departamento de Estudos da Língua Inglesa na UFC. Lola é Mestre, Doutora, e tem uma linha de pesquisa em literatura e cinema. Também irá compor a mesa Marcelle Silva, doutoranda em Sociologia no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará. Sua linha de pesquisa é voltada para o tema Gênero e Sexualidade no Ensino.

 

De 1º a 7 de junho de 2017, no Cinema do Dragão. Acesso gratuito. Confira a programação completa: http://mostracinemaedireitoshumanos.sdh.gov.br.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[MÚSICA] CHICO PIO – SHOW “BONITO PRA CHOVER”

 

 

O cantor e compositor Chico Pio faz o lançamento do disco "Bonito Pra Chover". Apesar de ser natural de Parnaíba (PI), foi no Ceará que Chico consolidou carreira já com 50 anos de estrada. Uma de suas músicas, “Forrobodó”, virou sucesso na voz de Zé Ramalho. Chico também tem músicas gravadas por Lúcio Ricardo, Paulo Rossglow (“Sorvete”) e Ângela Linhares (“Água”). Além de ter se apresentado ao lado de Ivan e Lucinha Lins, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Maurício Tapajós e Carmen Costa.


Biografia

 

Francisco Pio Napoleão, CHICO PIO, nasceu em 20 de março de 1953 na cidade de Parnaíba, Piauí. Cantor e compositor desde 1962, quando iniciou sua trajetória artística, vem contribuindo com seu talento participando em vários shows, teatros, festivais, cinema, televisão e outras manifestações da Música Popular Brasileira.

 

Em 1975, residindo no Rio de Janeiro, ficou conhecido pelo grande público no Teatro Casa Grande ao lado de Raimundo Fagner, Ivan Lins, Lucinha Lins, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Maurício Tapajós, Sérgio Ricardo, Carmem Costa, dentre outras expressões da MPB. No mesmo ano seu nome também ficou conhecido em São Paulo e Minas Gerais, tendo se apresentado em bares, teatros, shows musicais ao lado de Clôdo, Climério, Clésio, Sirlan, Stélio Valle, Wilson Cirino, Vicente Lopes e Jorge Mello.

 

No intervalo de 79 a 80 suas músicas “Jardim do Olhar”, em parceria com Fausto Nilo e Stélio Valle, e “O que foi que você viu?”em parceria com Nertan Moreno, forma gravadas no álbum duplo da CBS “MASSAFEIRA LIVRE”, produzido por Ednardo e Augusto Pontes. Das suas diversas participações em CDs, recentemente tomou parte do CD “Memória das Águas”, de Luciano Maia (2003).

 

Também teve músicas registradas por Lúcio Ricardo (Sorvete), ngela Linhares (Água), Zé Ramalho (Forrobodó) e Paulo Rossglow (Sorvete). Gravou no disco “Liberado”, de Alano Freitas e Francis Vale.

 

Ao longo de sua carreira participou de muitos festivais, conquistando o primeiro lugar no “Festival Universitário” com a música “Calmaria”, em parceria com Jorge Veloso (Rio, 1977) e “Festival do BNB” com a música “Gaivota”, de Izaias e Roberto Cysne (Fortaleza, 1980), sendo também premiado nos “Crédimus da Canção com a música “Silêncio” em parceria com Amilton Melo (Fortaleza, 1980), “Rádio Jornal O Povo” com a música “Pião”, “Chama” com a música “Joana” em parceria com Olímpio Rocha (Crato, 1994), “Canta Nordeste” com a música Amor Agreste em parceria com Luciano Cléver (Fortaleza, 1996), e quatro vezes no “Verão Musical” com as respectivas músicas “Mistura e Lambada” em parceria com Vinícius Kazanne, “Paragem” em parceria com Neudo Figueiredo, “Nau” em parceria com Dunga Odakan e “Forró da minha Serra” em parceria com Totonho Laprovitera (Camocim, 1989/91/92/99).

 

Dentre tantos expressivos shows, realizou os seguintes: “Chico Pio canta Zé Ramalho”, Theatro José de Alencar (1995); “Beira do Mundo”, no Centro Cultural do Banco do Nordeste (1999); “Chico Pio, Projeto 6½, Theatro José de Alencar (2000); “Chico Pio em Natal”, Natal (2001); “Chico Pio em Maceió”, Maceió (2005); A Gosto de Chico Pio”, Centro Cultural Dragão do Mar (2005); “Chico Pio no BNB”, BNB Clube; e “Chico Pio”, no Centro Cultural Oboé (2006); “Massafeira Livre 30 anos”, Theatro José de Alencar (2009); “Abertura do Festival da Ibiapaba”, com Ednardo, Tianguá (2010); “Chico Pio no Teatro 4 de Setembro”, em Teresina (2011); “A quem interessa possa”, Mercado dos Pinhões (2012); Mimi Rocha convida Chico Pio, no Cantinho do Frango (2013).

 

Recentemente, abriu os shows de artistas, tais como Amelinha, Alcione, Belchior e Zeca Baleiro, este em João Pessoa. Chico Pio tem cinco CDs gravados: Chico Pio – 1995; Marca Carmim – 1997 (em parceria com Luciano Cléver); Beira do Mundo – 1999; Chico Pio - Coletânea – 2011; Chico Pio e Caio Napoleão – 2013.

 

Dia 2 de junho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FESTIVAL CURTA O GÊNERO 2017

 

 

O Curta o Gênero 2017 – COG acontece de 3 a 11 de junho, em Fortaleza, na Caixa Cultural e no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. O projeto, realizado pela Fábrica de Imagens, reúne várias atividades como mostra de curtas-metragens, seminários, simpósios, mostra de teatro e exposição de fotografias e ilustrações, em um mergulho estético-político nos campos dos feminismos, gênero e sexualidades. O Centro Dragão do Mar recebe parte do projeto já a partir do dia 3 de junho. O evento é gratuito e está em sua VI edição ininterrupta, se configurando como referência nacional em gênero e cultura.

 

O COG 2017, afirmando seu caráter plural e comprometido politicamente com a equidade de gênero e afirmação das sexualidades com inspiração notadamente feminista, oferecerá aos seus frequentadores uma vasta programação que envolve mesas temáticas, teatro, exposições, apresentação de trabalhos, minicursos, oficinas, teatro, música, exposições de gravuras e fotografias, lançamento de livros e feira criativa de produtos e serviços.

 

 

Programação no Dragão do Mar (dias 3 e 4)

 

 

Dia 3 | Sábado

 

LANÇAMENTO DE EXPOSIÇÕES + SHOW DE LÍDIA MARIA
Abertura do festival, com a vernissage das exposições “Contrastes – Gênero, Tempos, Lugares e Olhares” e “Expressões de Gênero”, que ficarão em cartaz até o dia 25 de junho. Após um cuidadoso processo seletivo, realizado pela curadoria da exposição composta por Carolina Vieira, Jean dos Anjos e Marília Oliveira, foram escolhidas as imagens para mais uma edição da Exposição Contrastes e organizada uma retrospectiva dos postais que ilustraram cinco edições do COG, com obras das artistas Annie Gonzaga, Raisa Christina, Domitila Andrade, Tereza Dequinta e Fernanda Meireles.
17h30 > Multigaleria > Acesso gratuito > Classificação etária: livre > Visitação de 4 a 25 de junho, das 14h às 20h (exceto as segundas-feiras)

 

III MOSTRA GÊNERO EM CENA – “A MANCHA ROXA”
Apresentação do espetáculo “A Mancha Roxa”, do Grupo Imagens. Com texto de Plínio Marcos, a peça traz a realidade de submundo que envolvem as “internas” de uma penitenciária.
20h > Teatro Dragão do Mar > Acesso gratuito, com retirada de ingressos 2h antes na bilheteria do Teatro > Classificação etária: 18 anos


Dia 4 | Domingo

 

III MOSTRA GÊNERO EM CENA – “DUPLICITÉ”
Apresentação de “Duplicité”, um solo da atriz Maria Vitória inspirado nos textos da escritora Clarice Lispector. A personagem é uma escritora soterrada em seus papéis e seus mistérios.
20h > Teatro Dragão do Mar > Acesso gratuito, com retirada de ingressos 2h antes na bilheteria do Teatro > Classificação etária: 10 anos


Dia 6 | Terça

 

FESTA PROJETO MANAS
Confira a Festa Projeto Manas com Bia Turri (Fertinha), Priscilla Delgado (Viva La Pachanga) e Carol Estrada (Los Gringos).
Das 21h à 0h > Arena Dragão do Mar > Acesso gratuito > Classificação etária: livre


Dia 9 | Sexta

 

SHOW DE LORENA NUNES
onfira show da cantora cearense Lorena Nunes, um dos nomes mais celebrados da atual cena musical do Ceará.
21h30 > Arena Dragão do Mar > Acesso gratuito > Classificação etária: livre


Dia 10 | Sábado

 

III MOSTRA GÊNERO EM CENA - “DEVORAÇÃO”
Confira a apresentação de “Devoração”, da Cia da Arte Andanças. A dança se mobiliza pelos questionamentos: “O que é próprio do resistir? Qual a potência do corpo que resiste?”.
20h > Teatro Dragão do Mar > Acesso gratuito, com retirada de ingressos 2h antes na bilheteria do Teatro > Classificação etária: 14 anos


Dia 11 | Domingo

 

III MOSTRA GÊNERO EM CENA – “ASJA LASCIS JÁ NÃO ME ESCREVE”
Apresentação de “Asja Lascis já não me escreve”. No espetáculo, o Grupo Terceiro Corpo apresenta parte de sua investigação sobre a figura de Asja Lacis.
20h > Teatro Dragão do Mar > Acesso gratuito, com retirada de ingressos 2h antes na bilheteria do Teatro > Classificação etária: 10 anos


Curta O Gênero 2017, de 3 a 11 de junho, na Multigaleria, Arena e no Teatro Dragão do Mar. Acesso gratuito. Mais informações: Curta O Gênero 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

[MÚSICA] PÔR DO SOM – MÚSICA DE CÂMARA NO DRAGÃO

 

O Pôr do Som é um projeto semanal realizado todos os sábados, às 17h, na Arena Dragão do Mar, trazendo em apresentação gratuita um grupo de instrumentistas da Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará (Osuece). No Pôr do Som, os grupos de câmaras (música erudita composta para um pequeno grupo de instrumentos ou vozes), com formações variadas, mostram um repertório variado de música de concerto de câmara de vários compositores cearenses, brasileiros e de outras nacionalidades. O objetivo é proporcionar ao público diferentes aspectos da apreciação musical, com perspectiva de formação de plateia, informação e interação com o público.

 

Programação de junho


Dia 03/06 – Ceará Brass Quinteto

 

 

Criado em 2002, o Ceará Brass Quinteto nasce com o intuito de difundir a música de câmara para instrumentos de sopros, e assim potencializar outras qualidades culturais que possam surgir como fruto nas bandas de música do Estado do Ceará.


As apresentações que compõem o histórico do Quinteto são das mais variadas, as quais destacamos; O aniversário de um ano do projeto “Pra ver a Banda” no Centro Dragão do Mar, em 2002 o quinteto fez o concerto de encerramento do painel para Regentes e instrumentistas no município de Amontada – CE, em 2005 I Mostra de Arte e Cultura do Corpo de Bombeiros no Centro Cultural Dragão do Mar, em 2006 participou do I Festival Música de Câmara do Centro Sul e Vale do Salgado em Icó – CE, no mesmo ano o Ceará Brass Quinteto foi um dos ganhadores do III Edital de Incentivo às Artes do Estado do Ceará. Além de ser uma das atrações principais do Festival de Música na Ibiapaba em 2014.


Um caminho musical sólido e fértil foi construído e estruturado para acolher uma nova safra de músicos que surgiriam como resultado dessa difusão cultural iniciada pelo Ceará Brass Quinteto. Atualmente, o grupo é formado por Emerson Pereira (1o Trompete), Marcelo Souza (2o Trompete), Tenison Santana (Trombone), Williane Castro (Trompa) e Caio Ramires (Tuba).

 


Dia 10/06 – Alisson Félix – Show “Pedaços”

 

 

Violonista, compositor e arte educador, Alisson começou os estudos em música ainda criança no colégio. Atuante na área do choro, realizou diversos shows com o Grupo Chega Chora em homenagem a compositores cearenses, como Nonato Luiz, Luizinho Duarte e Alberto Nepomuceno. Trabalhou com vários artistas e grupos, entre os quais, Jorge Cardoso, Márcio Resende, Feito em Casa, Carlinhos Patriolino e Projeto Dois na Bossa, no qual também foi diretor musical, além de fazer parte do grupo Syntagma. Em seu projeto atual, Alisson Félix prepara o show "Pedaços", em que trabalha com composições de sua autoria e algumas influências, trazendo para o violão ritmos, harmonias e contrapontos que antes só seriam possíveis com uma banda acompanhando.

 


Dia 17/06 – Quartzo Verde

 

 

O Quartzo Verde é um grupo de violões formado por jovens instrumentistas agraciados com a Bolsa de Iniciação Artística da UECE: Jeias Silvestre, Letícia Martins, João Paulo Moreno, Filipe Rocha e Igor Ferreira. Conta também com a participação de Daniel Escudeiro, orientador do grupo desde sua criação. O repertório do grupo abrange a música antiga e música brasileira. A proposta do Quartzo Verde é divulgar o repertório associado a essa formação de violões acústicos, que é extremamente relevante e rica de possibilidades sonoras. Nessa apresentação, teremos músicas de compositores tais como Moreno Torroba, Chico Buarque/ Sivuca, João Luiz, Paulo Bellinati, entre outros.

 


Dia 24/06 – Grupo de Violoncelos da UFC

 

 

O Grupo de Violoncelos da UFC surgiu em 2015, sob coordenação da profa. Dora Utermohl de Queiroz, com o intuito de criar um espaço de interação e prática em grupo para os alunos de violoncelo da UFC. Afinal, aprende-se mais e melhor quando os saberes são compartilhados e quando não nos isolamos, mas procuramos nos unir àqueles que partilham do mesmo interesse e dedicação por um instrumento e pela música. Com o apoio da Secult-Arte- UFC e da Pró-Reitoria de Extensão da UFC o grupo pretende divulgar o violoncelo e as obras escritas especialmente para esta formação através de concertos gratuitos voltados a toda comunidade.


 

Dias 3, 10, 17 e 24 de junho de 2017, às 17h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

[FEIRA] KITANDA NO DRAGÃO
Tema: "Cearáfrica - Conexão Negritude"

 

 

A Kitanda no Dragão é uma feira de produtos e serviços dos empreendedores que compõem a Rede Kilofé de Economia de Negras e Negros do Ceará, uma organização para a formação, articulação e promoção de empreendimentos para a interação com o mercado. A programação compreende um dia inteiro de evento, sendo a primeira parte pela manhã, sempre no Auditório do Dragão, momento de formação dos empreendedores com palestras e debates sobre a questão econômica racial.

 

À tarde, a partir das 15 horas, é realizada a feira propriamente dita. E, a partir das 18h, ainda com a feira, acontece show musical com a temática referente àquela data. Nesta edição, o tema é alusiva ao dia 25 de maio, Dia da África, estabelecido em 1972 pela Organização das  Nações Unidas (ONU).

 

A Kitanda tem se mostrado positiva enquanto espaço divulgador das produções desse agrupamento e também como balcão de negócios, já que o Dragão é também um espaço de trânsito de turistas e gente de negócios. É também um evento inusitado na cidade e no estado que carrega um “mito” de que “aqui não existem negros”. O que vemos é que, cada vez mais, mais pessoas se identificam como tais e têm comparecido em massa a esse espaço e expressado muito contentamento e alegria.  

 

Programação

 

9h > Chegança e café da manhã | Palestra com o africano de Guiné Bissau Tamilton Teixeira, cientista social que discorrerá sobre as relações Brasil-África.
15h > Feira, com roupas afrobrasileiras, acessórios, couros, bonecas pretas, pinturas, livros de literatura afrobrasileira e africana, turbantes etc.
18h >
DJ Khamidi e os grupos Distintos e Eva Cidreira.

 

Dia 4 de junho, das 9h às 20h, no Auditório e Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FESTIVAL ALBERTO NEPOMUCENO

 

 

O 6º Concertos Solidários – Festival Alberto Nepomuceno traz vinte atrações culturais gratuitas distribuídas em dez dias de programação em vários espaços de Fortaleza e do Interior do Estado. Evento de incentivo à produção e difusão da música instrumental em suas variações do erudito ao popular, o FAN realiza apresentações que alargam e extrapolam referências ao compositor, pianista, organista e regente cearense Alberto Nepomuceno (1864 – 1920).

 

Além disso, a transversalidade de linguagens artísticas também celebra os elos musicais em tessituras literárias, estéticas e outras composições, voltadas para formações artísticas e de plateias. Os músicos, além de inserirem no repertório composições de Nepomuceno, farão homenagens ao compositor cearense Belchior, incluindo canções dele nas apresentações. Realizado pela Vagalume Produção Cultural e Comunicação, o projeto, via Lei Rouanet, tem patrocínio do Banco do Nordeste e do Grupo Marquise.

 

Nos dias das apresentações, o Festival estimula ainda a arrecadação de materiais de limpeza para doação às instituições benemerentes. Nessa 6ª edição, será contemplado o CAVIVER–Centro de Aperfeiçoamento Visual Ver a Esperança Renascer, ONG que trabalha com crianças socialmente desfavorecidas do Estado do Ceará com as principais causas de cegueira infantil.

 

 

Programação no Dragão do Mar

 

 

Dia 4/06 | Domingo

 


Ayrton Pessoa

 

Villa-Lobos para Criança
A primeira domingueira do 6º FAN, no dia 04/06 às 17h, promove final de tarde na Praça Verde ao som do espetáculo “Villa-Lobos para Criança” pelo Grupo “A Pessoa Bob”, encabeçado pelo músico Ayrton Pessoa Bob (acordeom e sintetizador), Jônatas Gaudêncio (clarinete) e Luis Gustavo Lima (violino e viola).

 


Dia 11/06 | Domingo

 

 

Duo Glière de Cordas da UFC
O último dia de atrações começa às 17h do domingo (11/06), no Museu de Arte Contemporânea – MAC, com a apresentação do Duo Glière de Cordas da UFC pela violinista Liu Man Ying e pela violoncelista Dora Utermohl de Queiroz, ambas professoras do curso de Licenciatura em Música do Instituto de Artes da Universidade Federal do Ceará.

 

O Duo Glière faz homenagem ao violinista e compositor russo Reinhold Glière (que incorporou o uso da música folclórica da Rússia e de países vizinhos em suas composições) e traz no programa o Duo n.1 de Beethoven, entre as peças arranjadas para esta formação, caso de“Meditação de Thaís”, do compositor Massenet.

 

 

Camerata de Cordas da UFC
Às 18h30, a Arena Dragão (também no Centro Dragão do Mar) ganha os movimentos da Camerata de Cordas da UFC, sob direção das profªs. Dra. Liu Man Ying (violino e viola) e Ms. Dora Utermohl de Queiroz (violoncelo e contrabaixo), em que repercute repertório selecionado para o coletivo musical. Na sequência, o FAN recebe o Grupo de Violoncelos da UFC, composto por 22 alunos violoncelistas sob coordenação da profª Dora Utermohl de Queiroz, que compartilham saberes, o mesmo interesse e dedicação por um instrumento e pela música em concerto gratuito e aberto à comunidade com obras escritas especialmente para esta formação.

 

 

De 2 a 11 de junho de 2017, em vários espaços de Fortaleza e Interior do Ceará. No Dragão do Mar, tem programação no dia 4, às 17h, na Praça Verde; e dia 11, às 17h, no MAC-CE, e às 18h30, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RECITAL E FEIRA CORDEL COM A CORDA TODA

 

 

A tradicional Literatura de Cordel, que hoje está sendo reconhecida pelo IPHAN como patrimônio imaterial, sempre esteve onde o povo está. No chão da feira livre, se fez eco na voz de seus poetas e folheteiros, despertando a curiosidade e prendendo a atenção dos transeuntes. Nos lares nordestinos, emocionou, fez sonhar, chorar e rir a milhares de pessoas e ainda contribuiu largamente com a educação.

 

Há mais de dois anos, o Projeto Cordel com a Corda Toda canta e encanta no Centro Dragão do Mar. Projeto criado pelo cordelista e ilustrador Klévisson Viana, com a realização da AESTROFE – Associação de Escritores Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará em parceria com o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, já apresentou muitos dos melhores poetas cordelistas, declamadores, cantadores repentistas e músicos tradicionais daqui e de muitos outros estados. Nesta edição, confira repente e cantoria com Zilmar do Horizonte e Guilherme Nobre, além do lançamento de cordéis de Bia Lopes.

 

Dia 4 de junho de 2017, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito. Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[CINEMA] CINE CAOLHO

 

O CINE CAOLHO se propõe a ser um espaço de exibição e reflexão sobre as produções audiovisuais cearenses. Acontecendo mensalmente, sempre na primeira segunda-feira do mês no Cinema do Dragão, o Cineclube exibe filmes cearenses, sempre com a presença de seus realizadores para um debate com o público após as sessões. Confira os filmes que serão apresentados.

 

FARPA (2'29")

 

 

Sinopse: Com o objetivo de reconciliação, uma ligação é feita, mas uma resposta não é dada, pois muitas mágoas e muitas farpas ainda existem entre duas pessoas.
Equipe: Camila Nayara, Raiane Ferreira, Daniela Costa, Lucas Negreiros e Saullo Alves.

 

MUROS (6'45")

 

 

Sinopse: Moradores das ruas que circundam o campus do Pici, UFC, opinam sobre a sua relação com a Universidade.
Direção: Pedro Palácio e Sunny Maia
UF/Ano: CE/2016
Classificação Indicativa: Livre
Realização: Pedro Palácio, Sunny Maia
Som: Elvio Franklin, Mateus Bandeira, Mylla Fox, Pedro Palácio, Sunny Maia
Mixagem: Pedro Henrique

 

SUPERDANCE (20'41")

 

 

SINOPSE: Um bando. Um amigo desaparecido, uma cobra, um sofá jogado no caminho. Nove corações inquietos em busca de algo que ainda esteja vivo.
FICHA TÉCNICA
ELENCO: Bruna Pessoa, Gabriella Ribeiro, Geane Albuquerque, Karla Fonseca, Leonardo William, Lucas Galvino, Paulo Victor Soares, Rodrigo Ferrera, Thiago Andrade
DIREÇÃO: Pedro Henrique
ASSiSTENTE DE DIREÇÃO: Nayara Sousa Machado e Mariana Gomes
PRODUÇÃO: Leandro Bezerra e Mariana Gomes
ASSISTENTE DE PRODUÇÃO: Lílian Cunha
DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA: Irene Bandeira
ASSISTENTE DE FOTOGRAFIA: Luciana Rodrigues
SOM DIRETO: Rodrigo Fernandes
ASSISTENTE DE SOM: Breno Furtado
TRILHA MUSICAL: Rodrigo Colares
DIREÇ O DE ARTE: Xeiletix e Beethoven Silva
FIGURINO E MAQUIAGEM: Rodrigo Ferrera
MONTAGEM E CORREÇÃO DE COR: Mariana Nunes
EDIÇ O DE SOM E MIXAGEM: Lucas Coelho de Carvalho
TÉCNICO: Tiago Nascimento
APOIO: UFC e Vila das Artes

 

VS. EX. SRA. TRISTEZA (16'23")

 

 

Sinopse: Do alto do prédio mais alto da cidade mais violenta do país, o primeiro e único encontro de Paulo e Daniel. Uma dança de despedida com olhos encharcados de chuva e sapatos molhados de lágrimas.
Direção e Roteiro: Clébson Oscar e Wilken Misael
Produção: Samara Cabral
Fotografia: Renata Lima Holanda e Rodrigo do Sossego
Som direto: Gustavo Pedrosa
Arte: Lidia dos Anjos e Clébson Oscar
Montagem: Clébson Oscar
Desenho de Som: Matheus Mendes
Correção de cor: Rafael de Jesus
Música: Odorico Leal
Ass. Produção: Luca Salri e Marcus Antonius Melo
Continuidade: Pedro Rifane e Samara Cabral
Preparação de elenco: Maria Eli Magalhães
Still: Renata Cidrack
Músicas:“early ways of looking at a dodobird” e “rebentação”

 

Dia 5 de junho de 2017, às 19h30, no Cinema do Dragão. Acesso gratuito, com retirada de ingressos 1h antes da sessão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TEATRO DA TERÇA [TEMPORADA DE ARTE CEARENSE]
Duplicité

Maria Vitória

 

 

O espetáculo é um solo da atriz Maria Vitória que parte de uma pesquisa em torno do teatro-dança. Parte do pressuposto de que o ser humano busca conceber uma imagem na qual reconheça a si mesmo e dentro dessa imagem um paradoxo de dois “eus” que nem sempre se correspondem.

 

Dias 6, 13, 20 e 27 de junho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação: 12 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[PALESTRA] DEBATE COM GINGA
Tema: "A Capoeira e a obrigatoriedade do ensino da História e Cultura Afro-brasileira"

 


 

O Debate com Ginga é realizado uma vez por mês no Auditório do Dragão do Mar, proporcionando discussões de temáticas que se relacionam com a capoeira. Realizado pelo Grupo Capoeira Brasil, promove ainda oficinas e vivências de manifestações afro-brasileiras ou relacionadas com a capoeira. O debate promove a troca de saberes ao convidar pessoas oriundas de diversos setores da sociedade e de campos do saber. Nesta edição, o tema abordado será "A Capoeira e a obrigatoriedade do ensino da História e Cultura Afro-brasileira", com Prof. Eduardo V. M. Silva (IEFES-UFC), doutor em Desenvolvimento Humano e Tecnologias – Unesp.

 

“O Debate com Ginga é uma proposta de ir além dos espaços mais tradicionais da capoeira, instigando os capoeiristas a buscarem ampliar suas fontes de conhecimento e suas visões das temáticas que atravessam nossa arte”, afirma Luciano Hebert, corda marrom do Grupo Capoeira Brasil e coordenador do projeto.

 

O projeto Debate com Ginga tornou-se Projeto de Extensão da Universidade Federal do Ceará-UFC, pelo Instituto de Educação Física e Esportes – IEFES, desde novembro de 2016. Isto significa que passou a ser reconhecido, conservado e apoiado pela Universidade, como capaz de desenvolver atividades de caráter educativo, social, cultural, científico e tecnológico, envolvendo a Capoeira, cujas diretrizes e escopo de integração com a sociedade, agregam-se às linhas de pesquisa desenvolvidas pelo IEFES-UFC.

 

Deste modo, o projeto será ainda capaz de provocar a investigação científica para alunos da graduação em Educação Física e outras áreas do conhecimento, bem como a socialização destes para quem não tem acesso direto à Universidade, com certificação a todos que dele participarem.

 

A Capoeira e o Grupo Capoeira Brasil

 

A origem da Capoeira ainda hoje é discutida por diversos estudiosos da área, mas acredita-se que ela remonta aos tempos da escravidão, sendo criada provavelmente pelos negros escravos aqui no Brasil, na ânsia de se libertarem. A capoeira atravessou diversas fases e inúmeras adversidades, sendo até considerada uma prática ilegal e proibida.

 

Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), a Capoeira encontra-se presente em todo o território nacional e em mais de 150 países, tornando-se inviável contabilizar o número de praticantes. A Capoeira hoje é incentivada e amparada por Lei Federal e em 2008 foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, sendo candidata a tornar-se patrimônio da humanidade.

 

O Grupo Capoeira Brasil, fundado em 1988 (ano de comemoração dos 100 anos da Abolição da Escravatura), na cidade de Niterói, pelos mestres Paulinho Sabiá (Niterói – RJ), Boneco (Barra - RJ) e Paulão Ceará (Fortaleza - CE), surgiu com o objetivo de incentivar, divulgar e resgatar a cultura e a arte da Capoeira, valendo-se desse instrumento como um meio de transformação e incentivando os praticantes a se tornarem cidadãos críticos.

 

Dia 7 de junho de 2017, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito e livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESPETÁCULOS CIRCENSES [TEMPORADA DE ARTE CEARENSE]
Raiz do Céu

Camila Pessoa

 

 

Raiz do Céu é um número de trapézio e tem como tema exprimir minimamente a alienação de si, quando se é parte de uma engrenagem invisível. Há um transcorrer, uma movimentação em um primeiro momento, no qual se desdobram aspectos corporais de uma transformação. Num segundo momento, é o corpo suspenso no trapézio que se liberta.

 

Dias 7, 14, 21 e 28 de junho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). Classificação etária: livre.

 

*Excepcionalmente no dia 28 de junho, este espetáculo será precedido da apresentação “Sem Fio”. O público terá direito a assistir aos dois espetáculos com o mesmo ingresso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[MÚSICA] FORRÓ DA PRAÇA

 

 

No mês mais nordestino do ano, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura estreia o Forró da Praça, uma programação que veio para celebrar os mais tradicionais e saudosos estilos do nosso forró. Imersa no clima junino, com direito a bandeirinhas de São João, quadrilha improvisada e comidas típicas, a festa do forró será realizada toda quinta-feira de junho, a partir do dia 8, às 19h, na Praça Verde. Para aquecer os pés dos forrozeiros, as noites vão começar com os DJs do projeto Borogodó Sistema Estereofônico. Na sequência, sobem ao palco Os Muringa, que, a cada edição, serão acompanhados por um nome diferente da música cearense. Quem estreia o Forró da Praça, na próxima quinta-feira, é a rainha do Forró das Antigas, Rita de Cássia. O acesso é gratuito.

 


Os Muringa

 

Abrindo todas as noites de Forró da Praça, o Borogodó Sistema Estereofônico, composto por Daniel Goiana e Selekta Fisherman, passeia pela imensidão sonora brasileira, indo do rojão, forró e baião ao carimbó. Logo depois, o grupo de forró Os Muringa chega celebrando a cultura nordestina através do forró tradicional. Com muita alegria e descontração, vão tocar desde o pé-de-serra para arrastar o pé agarradinho até o forró mais agitado que guiará a quadrilha improvisada. “Vai ter Dominguinhos, Luiz Gonzaga, Alceu Valença, Falamansa, Dorgival Dantas e, claro, muito Forró das Antigas, já que teremos a participação especial de Rita de Cássia”, adianta Ráu Rocha, sanfona e voz da banda.

 


Rita de Cássia

 

Cantora e compositora cearense, Rita de Cássia compôs clássicos do forró como “Meu vaqueiro, meu peão” e “Brilho da lua”. Ela é a primeira convidada da sequência que traz ainda, nas quintas-feiras seguintes: Neopineo, Mel Mattos, Daniel Groove, Di Ferreira, Nicinha do Acordeon e Paula Tesser. “É muito importante que um centro cultural do porte e relevância do Dragão do Mar valorize, com uma programação ainda que sazonal, um gênero tão tradicional da música cearense, que é o forró, promovendo ainda uma feliz troca entre o autêntico forró e os novos nomes da cena musical do Ceará”, explica o diretor de Ação Cultural do Dragão, João Wilson Damasceno.

 

Segundo o diretor, a partir deste ano, o Forró da Praça será realizado todo mês de junho, na Praça Verde do Dragão, seguindo o formato do Bloco Chão da Praça, programação que já entrou no calendário do Pré-Carnaval de Fortaleza. O acesso ao Forró da Praça é totalmente gratuito. Assim como em todas as programações realizadas na Praça Verde, quando há venda de bebidas alcoólicas, a classificação etária é de 18 anos de idade, conforme orientação da Justiça do Estado. Não será permitida a entrada com bebidas.


Programação


Dia 8/06

Borogodó Sistema Estereofônico e Os Muringa convidam Rita de Cássia


Dia 15/06

Borogodó Sistema Estereofônico e Os Muringa convidam Nicinha do Acordeon e Paula Tesser


Dia 22/06

Borogodó Sistema Estereofônico e Os Muringa convidam Mel Mattos e Neopineo


Dia 29/06

Borogodó Sistema Estereofônico e Os Muringa convidam Daniel Groove e Di Ferreira

 

Dias 8, 15, 22 e 29 de junho (às quintas-feiras) de 2017, das 19h às 23h, na Praça Verde. Acesso gratuito. Classificação etária: 18 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

QUINTA COM DANÇA [TEMPORADA DE ARTE CEARENSE]
A Invenção do Baião teimoso

Balé Baião

 

 

A Cia Balé Baião se propõe a trazer para o palco do Projeto Quinta com Dança a metáfora de uma "teimosia dançada", protagonizada por corpos distintos, singulares, lúdicos, místicos, dúbios, maleáveis. É “A Invenção do Baião Teimoso”, espetáculo que traz para a cena todo o elenco da Balé Baião, veteranos e jovens "baioenses". Corpos inacabados, em construção incessante, se refazendo e reinventando-se à proporção que estabelecem diálogos entre si. Corpos intactos, inabaláveis, infinitamente possíveis. Poesia de uma teimosia, de uma ânsia rebelde em seguir adiante, em ir doravante, com o outro.

 

Dias 8, 15, 22 e 29 de junho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação etária: 14 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[MÚSICA] Batalha do Dragão

 

A Batalha do Dragão está de volta e promete sacudir a cena do freestyle cearense. Com o objetivo de promover o encontro de MCs para um duelo de rimas de improviso, o projeto é uma realização do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, mediado pelo rapper e produtor musical Erivan Produtos Do Morro, com DJ Robson Além da Ideia no toca-discos e Flaviene Vasconcelos na produção. Para esta primeira edição de 2017, a Batalha do Dragão traz como atração o grupo Kapitch Rap.

 

Dia 9 de junho de 2017, às 18h, no Espaço Patativa do Assaré. Acesso gratuito. Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[FEIRA] FEIRA DA FOTOGRAFIA FORTALEZA

 

 

A mais tradicional feira de artigos fotográficos da cidade apresenta mais uma edição neste mês. Além da venda de artigos fotográficos, haverá ainda a palestra "Um toque sutil na fotografia de eventos", com os fotógrafos Éden Barbosa e Igor Grazianno.

 

Dia 10 de junho de 2017, às 14h, no Auditório e na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[FOTOGRAFIA] GOLPE DE VISTA
Tema: "Imagem e Cultura LGBT: para além da visibilidade"

 

Os preconceitos relativos à homossexualidade e às expressões de gênero que desafiam binarismos ainda são muito presentes, em vários países, como é o caso do Brasil. Ainda há uma série de motivos que impedem que pessoas que não se adequam às normas sociais que regulam a sexualidade e o gênero saiam às ruas para manifestar e exigir direitos. Alguns deles podem ser facilmente aqui listados: No Brasil, milhares de pessoas LGBT morrem assassinadas simplesmente pelo fato de não se enquadrarem aos rígidos padrões que são impostos para designar o que é “normal” ou não. Recordemos o caso Dandara dos Santos, assassinada brutalmente em fevereiro deste ano, aqui em Fortaleza/CE.

 

Ainda não é possível para casais homossexuais, a adoção de filhos/as. Projetos de leis a favor da “cura da homossexualidade” são, em pleno século XXI, formulados no Brasil. Dois homens ou duas mulheres não podem demonstrar afeto publicamente sem passar por algum tipo de humilhação e/ou violência simbólica (quando a violência não é física). A mídia, o mercado, as escolas e o poder público veiculam, frequentemente, estereótipos preconceituosos e infelizes sobre lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

 

A Parada do Orgulho é um momento de visibilidade positiva e luta por direitos que promovam a equidade de gênero e acabem com o terrorismo sexual. Não importa se uma pessoa é heterossexual, homossexual, bissexual, transgênero, travesti ou intersex, o importante é ser respeitada como um ser humano e ter todos os seus direitos garantidos.

 

Nesta edição do Golpe de Vista, traremos as questões acima elencadas, numa conversa com cinco artistas/ativistas que utilizam a imagem, dentre outras linguagens artísticas, para promover a consolidação de direitos, a reflexão para a construção de uma sociedade livre de preconceitos e igualitária, independente do gênero sexual. São eles o jornalista Ari Areia; o designer e DJ Darwin Marinho; Régis Amora, fundador do Descoletivo; a atriz, modelo e dançarina Jéssica Costa; e o fotógrafo Eduardo Barrosa.

 

O Dia Internacional do Orgulho Gay é comemorado anualmente em 28 de junho em todo o mundo. Comemoremos e celebremos a diversidade nesta edição do Golpe de Vista e cotidianamente.

 

/// Sobre os convidados

 

ARI AREIA
Ari Areia é jornalista formado pela UFC, militante pelos Direitos Humanos, Ativista LGBT e ator do Outro Grupo de Teatro, onde desenvolve pesquisa sobre sexualidade e gênero resultante nas montagens "Comer Querer Ver" (2012), "Caio e Léo" (2014), "Histórias Compartilhadas" (2015) e "Ninguém" (2017).

 

DARWIN MARINHO
Darwin Marinho é uma bicha preta de Tauá, designer, dj e estudante do Curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes.
Responsável pelo roteiro e direção do curta TETO.

 

RÉGIS AMORA
Membro fundador do Descoletivo. Diretor de Comunicação do Ifoto – Instituto da Fotografia do Ceará (gestão 2014 – 2015). Finalista do prêmio La Salita, na Espanha, com o ensaio Corpos. Em dezembro de 2016 teve a exposição individual CINE CASA como parte da Seção Oficial do Festival Internacional Outono Fotográfico, na Espanha/ Galícia. Em março de 2017 lançou, junto ao Descoletivo, a publicação Séries sobre o Sutil, selecionada no Programa Produção e Publicação em Artes 2016 da Secretaria de Cultura de Fortaleza.

 

JÉSSICA COSTA
É mulher, trans, negra, filha de iansã, atriz, modelo e dançarina.

 

EDUARDO BARROSA
É bixa, mestrando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará (UFC), integrante do Laboratório de Arte Contemporânea, também vinculado à UFC e fotógrafo das manas.

 

Dia 14 de junho de 2017, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito. Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RARA [CANCELADO]
No Barraco da Constância tem!

 

 

O Centro Dragão do Mar informar que foi cancelada a temporada do espetáculo Rara, por motivos de saúde de um dos integrantes. Logo, não haverá apresentação nos dias 16 e 23 de junho. Agradecemos a sua compreensão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TEATRO INFANTIL [TEMPORADA DE ARTE CEARENSE]
Ogroleto

Pavilhão da Magnólia

 

 

Um menino se percebe muito diferente das demais crianças e lidar com essa diferença, para ser aceito, parece não ser fácil. Nessa árdua tarefa da aceitação, ele conta com a ajuda da sua mãe. A peça da autora canadense Suzanne Lebeau trata de temas muito presentes na infância, como: medos, dúvidas e diferenças.

 

Dia 17, 18, 24 e 25 de junho de 2017, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[MÚSICA] PRAÇA DO ROCK

 

Realizado pelo Dragão do Mar em parceria com a Associação Cearense do Rock, o programa mensal Praça do Rock apresenta, a cada edição, as várias matizes do rock cearense. Em junho, confira o thrash metal da Fist Banger Speed e a NFuria, com elementos do thrash e death metal e grind e hardcore, com letras em português.

 

/// Mais informações sobre as bandas

 

Fist Banger Speed

 

 

O trio de thrash metal gravou em julho de 2013 o primeiro EP, “Invaders of the Thrash”. Lançado no fim de 2013, o disco teve um relançamento em 2014 pelo selo e gravadora Obskure Chaos (SP). As principais influências da bandas são Exciter, Agent Steel, Overkill, Razor e Nuclear Assault.

 

+

 

Nfuria

 

 

A banda surgiu em meados de 2004, em Fortaleza (CE), com o propósito de um estilo próprio, trazendo elementos do Thrash/death/grind e hardcore em português que cospem na cara os problemas sociais vividos na periferia. Com mais de uma década de existência, a Nfuri passou por festivais importantes da cidade tais como Forcaos, Rock Cordel, Procultura, Cuca Independente, entre outros shows undergrounds. Abriu shows para ícones da cena como Krisiun, Worst, Matanza, Almar Vulcano. O primeiro trabalho foi a demo “A Praga Ataca Pra Exterminar”, contendo quatro faixas, lançado em 2012. O segundo trabalho foi o videoclipe do single “Peste Química”, lançado em 2013. Com nova formação, a banda vem trabalhando no primeiro CD, intitulado “Nascer da Fúria”, em comemoração aos 10 anos de carreira.

 

Dia 17 de junho de 2017, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

POLIFONIAS [TEMPORADA DE ARTE CEARENSE]
Andrezão GDS + Impacto Feminino + Coro MC e Banda

 

 

O programa Polifonias deste mês apresenta três shows gratuitos de rap, no Anfiteatro do Dragão. Andrezão GDS traz "Na certeza do groove", reafirmando seu rap de militância e luta. As meninas da Impacto Feminino traduzem nesse estilo a força resistente pela igualdade de gênero. As questões sociais também estão na música do Coro MC e Banda, com o show "Vem desse naipe", de rimas cadenciadas e batidas dançantes.

 

/// Mais informações sobre as bandas

 

Andrézão GDS – show “Na Certeza do Groove”
Andrezão GDS é a voz da resistência que abala as estruturas do sistema. O rap cearense confirma o seu legado com uma nova geração de MC's de militância e luta que têm a música como instrumento de transformação, inclusão e revolução. O Coletivo Maloqueria é reconhecido em todo território cearense como um grupo de hip hop que vem mudando a história. Figuras como Padêro MC, Roni Flow, Ernany RVM e Isabel Gueixa são exemplos dessa revolução e da superação individual que tanto marca o povo cearense, o povo nordestino, o povo brasileiro.

 

Juntos, eles provaram que é possível se construir, de forma colaborativa, um ciclo de conquistas para o movimento e garantir o seu protagonismo amparado em ações constantes. Um sonho cultivado em vários corações e mentes que não descansam. Foi quando Andrézão GDS chegou de São Paulo e conheceu o trabalho de Roni Flow, em 2013. Nesses últimos três anos, junto desse time de guerreiros, GDS iniciou a trilha numa estrada revolucionária onde se revelaram diversas perspectivas e um grande horizonte para o rap cearense.

 

Foi também através dessa parceria que o artista reuniu a mensagem cantada nas rimas que carregam as ruas banhadas de sangue inocente e expressam o sentimento do trabalhador explorado e condicionado à sobrevivência nessa selva de pedra.

 

+

 

Impacto Feminino
Impacto Feminino é um grupo de rap cearense, fundado em 2009, atualmente formado por Karlinha Minnie, Rita Impacto e Natalia Gois. Na busca de igualdade entre homens e mulheres e contra a segregação, a ideia é socializar e aproximar pessoas ao movimento hip-hop, mostrando que essa é uma cultura educativa, profissionalizante e que resgata a autoestima da juventude feminina.

 

+

 

Coro MC e Banda – show “Vem Desse Naipe”
O projeto Vem Desse Naipe é uma forma de pôr em evidência a realidade das pessoas que vivem em comunidades periféricas através da vivência do rapper no bairro Barra do Ceará, em Fortaleza. Mas a sondagem proposta por Coro MC vê os impactos sociais refletidos para além do bairro. Quando o eu lírico faz uma investigação de si mesmo, põe à luz discussões sobre como o cotidiano influencia na formação do seu eu. Apesar de abordar temas “pesados”, sua música é positiva, com rimas bem cadenciadas e batidas dançantes de rap.

 

Dia 17 de junho de 2017, às 19h, no Anfiteatro. Acesso gratuito. Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[TEATRO] NÓS TR3S NINGUÉM
Outro Grupo de Teatro

 

O Outro Grupo de Teatro abre ao público em ensaios abertos seu novo processo de criação, "Nós Tr3s Ninguém", uma instalação cênica construída a partir de uma imersão na poética das obras de Caio Fernando Abreu e Leonilson. Com duas apresentações no Teatro do Centro Dragão do Mar, nesta sexta-feira (23), às 18h e às 20h, o monólogo de Tavares Neto com direção de Tomaz de Aquino encerra o percurso de abertura do processo em Fortaleza e segue para o Cariri onde faz três apresentações na próxima semana.

 

Dia 23 de junho de 2017, às 18h e às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: 16 anos.

 

 

 

 

 

 

 

PAPO FOTOGRÁFICO [TEMPORADA DE ARTE CEARENSE]
Desenho de Luz – Leitura e Criação Fotográfica

Luciana Gomes

 

 

O "papo de fotógrafo" proposto no projeto Desenho de luz – Leitura e Criação Fotográfica diz sobre a relevância da luz e sombra como elementos de composição da imagem fotográfica. Composição que revela as técnicas usadas para traduzir os conceitos carregados na própria imagem.

 

O estudo é baseado principalmente na constante análise de imagens das artes plásticas e da fotografia, dialogando diretamente com as técnicas e conceitos dos processos criativos. O projeto já foi realizado como Palestra na Faculdade Cisne (Quixadá-CE) e Oficina na 17ª Mostra Sesc Cariri de Culturas – no CCBNB Cariri (Juazeiro do Norte/CE) e na EEEP Maria Violeta Arraes de A. G. (Crato/CE).

 

Dia 24 de junho de 2017, às 16h, no Auditório. Acesso gratuito. Classificação etária: 16 anos. Duração: 120 minutos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[DANÇA] TANGO NA PRAÇA

 

 

Venha trocar ideias e dançar junto de admiradores do tango argentino. O projeto mensal traz a prática do tango ao alcance de todos.

 

Dia 28 de junho de 2017, das 19h às 21h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VARIETÉ [TEMPORADA DE ARTE CEARENSE]
Sem Fio

Gabriela Jardim

 

 

O número “Sem Fio”, de Gabriela Jardim, é conduzido a partir de alguns atravessamentos sonoros da vida contemporânea, como os reproduzidos por programas de comunicação de redes sociais, editados na música “Valsa das Flores”, de Tchaikovsky. Apresentado na modalidade corda lisa, com duração de 10 minutos.

 

Dia 28 de junho de 2016, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). Classificação etária: livre.

 

*O espetáculo será seguido da apresentação “Raiz do Céu”. O público que se encontra no Teatro terá direito a assistir aos dois espetáculos com o mesmo ingresso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[MÚSICA] DRAGÃO BLUES

 

Programa mensal realizado pelo Centro Dragão do Mar em parceria com a Casa do Blues, o Dragão Blues retoma programação com edições temáticas, em 2017. Em junho, vai ter tributo aos Kings, show que homenageia os reis do Blues: Albert King, B.B. King e Freddie King. Serão apresentados os principais sucessos dessas lendas do Blues pela banda da Casa do Blues, com participações de Cláudio Oliveira, Felipe Cazaux e Roberto Lessa (guitarras e vocais), Leonardo Vasconcelos (teclados), Victor Fontenelle (Baixo) e Marcelo Holanda (Bateria).

 

Dia 30 de junho de 2017, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

[MÚSICA] ROBERTO VIANA
Show Simples Melodia

 

 

Roberto Viana Junior, em seu show “Simples Melodias”, lança o primeiro EP de músicas autorais, composto a partir de parcerias conquistadas ao longo de sua carreira, que irá completar 12 anos. “Será um momento único e de start na minha carreira, onde terei o prazer de tocar minhas composições e dividir com o público a realização de um sonho”, afirma o cantor.

 

O show contará com a participação de alguns convidados que, de certa forma, influenciaram a carreira do jovem artista e se apresentará tendo como base a banda Quinteto Gamboa.

 

Roberto Viana é um jovem cantor e compositor cearense nascido em Fortaleza. Começou sua carreira ainda na Banda Luma e desde 2011 segue em carreira solo. Ele traz em seu trabalho influências de MPB, Rock Brazuca, Jazz e Soul Music.

 

O artista vem se destacando no cenário musical cearense, onde já participou de vários festivais, sendo em 2013 um dos vencedores da Mostra de Talentos de Fortaleza.

 

Também participou do aniversário de Fortaleza, interpretando música dos cearenses Fausto Nilo, Belchior e Ednardo. O artista sempre em busca de alçar grandes voos e obter novas conquistas, já se apresentou em outras cidades do Brasil, entre elas: Brasília, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro.

 

No cenário musical local, já dividiu palco com grandes músicos e artistas cearenses como: Tarcísio Sardinha, Mimi Rocha, Paulo Façanha, Rodger Rogério, Mona Gadelha, Daniel Groove, Fernando Catatau, Fausto Nilo, Verônica Valentino, Moacir Bedê, Cristiano Pinho e outros.

 

Dia 30 de junho de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia). Classificação etária: livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

// TODA SEMANA NO DRAGÃO DO MAR

 

Feira Dragão Arte
Feira de artesanato fruto da parceria com Sebrae-CE e Siara-CE.
Sempre de sexta a domingo, das 17h às 22h, ao lado do Espelho d'Água. Acesso gratuito.

 

Planeta Hip Hop
Grupos promovem exibições de dança e música hip hop.
Todos os sábados, às 19h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

Brincando e Pintando no Dragão do Mar
Brincadeiras e atividades infantis orientadas por monitores animam a criançada na Praça Verde.
Todos os domingos, das 16h às 19h, na Praça Verde. Gratuito.

 

Fuxico no Dragão
Atrações artísticas e uma feirinha com vinte expositores de produtos criativos em design, moda e gastronomia agitam as tardes de domingo.
Todos os domingos, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO [FECHADO PARA MANUTENÇÃO]




Foto: Marina Cavalcante

 

 

O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura informa que o Planetário Rubens de Azevedo passa por manutenção corretiva. Está, portanto, temporariamente fechado para atendimento ao público amplo, funcionando apenas para escolas agendadas. Informações: 3488.8639 ou aqui.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CINEMA DO DRAGÃO


 

A programação regular do Cinema do Dragão é definida semanalmente, sob a curadoria de Pedro Azevedo.

 

Informações: 3219.5899 
www.dragaodomar.org.br
programacaocinema@dragaodomar.org.br
Twitter: @cinemadodragao
Facebook: Cinema do Dragão-Fundação


 Ingressos na Bilheteria do Cinema do Dragão -Fundação R$ 14,00 (inteira) e R$ 7,00 (meia). A bilheteria funciona de terça a domingo, das 14h às 22h.

 

 

Também têm direito à meia da meia-entrada, no valor de R$ 3,50, estudantes da Escola Porto Iracema das Artes e da Escola de Artes Thomaz Pompeu Sobrinho e alunos de audiovisual do Centro Cultural Bom Jardim, da UFC, UNIFOR e da Vila das Artes, mediante apresentação de comprovante de matrícula.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO CEARÁ – MAC-CE

 

 

 

Exposição "O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 anos"

 

 

A mais completa mostra sobre a obra de um dos grandes nomes da fotografia no Brasil pode ser visitada até o dia 02 de julho no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC) do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Realizada pelo Instituto Moreira Salles (IMS), do Rio de Janeiro, e a Terra da Luz Editorial, do Ceará, a exposição "O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 anos", apresenta cerca de 400 fotografias, além de objetos, livros, recortes, exibição de filmes ("It's All True", "Cangaceiros"), documentários sobre ele, vídeo sobre o livro Mucuripe, entrevistas, entre outros.


Nascido há 100 anos (25 de abril de 1917) e falecido há 16 (26 de dezembro de 2000), "Seu Chico" como era chamado por tantos amigos, colegas e admiradores de sua obra, foi o precursor da fotografia na publicidade no Brasil e fez escola com sua arte que foi, é e será sempre uma grande referência. O pioneirismo, suas múltiplas habilidades e seu extremo domínio da luz e da técnica o levaram ao patamar de mestre de gerações de fotógrafos Brasil afora. "Essa exposição pretende apresentar ao público a maestria de Chico Albuquerque, que teve uma rica trajetória de mais de 65 anos na fotografia brasileira", diz Patricia Veloso, da Terra da Luz, que divide a curadoria com Sérgio Burgi, do IMS.


Muitas fotografias são expostas pela primeira vez no Ceará. Elas são parte do acervo de cerca de 75 mil imagens produzidas pelo fotógrafo cearense em São Paulo entre 1947 e 1975, que está preservado na Reserva Técnica Fotográfica do Instituto Moreira Salles por meio de convênio com o Museu da Imagem e do Som de São Paulo. Esse material foi digitalizado no IMS, que fez, em seguida, um minucioso trabalho de recuperação das imagens, boa parte delas bastante degradadas. Outra parte da exposição é composta por fotografias mantidas no Ceará, sendo, pois, um encontro de acervos, dando uma visão de toda a obra, resultando na mais completa mostra já realizada sobre ele.

 

 


"O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 anos" apresenta as várias fases de sua vida e obra. Uma das salas lembra o período de 1934 a 1945, que são os primeiros anos da ABAFILM, fundada em Fortaleza por seu pai, Adhemar Bezerra de Albuquerque, e o início da carreira profissional de Chico, que esteve à frente do estúdio da empresa de fotografia do pai. É dessa época o trabalho de still do filme It's All True, do cineasta Orson Welles, do qual participou Chico Albuquerque, e os registros do cangaço feitos por Benjamim Abrahão, cujo serviço foi contratado pela ABAFILM.


Em 1945 Chico Albuquerque mudou-se para São Paulo, onde abriu seu estúdio e destacou-se como um dos melhores retratistas do país, tornando-se um ícone da fotografia publicitária no Brasil, atividade que iniciou em 1949 junto às maiores agências de publicidade nacionais e internacionais.


Do período que residiu em São Paulo datam a série de cerca de 50 retratos de artistas, políticos e outras personalidades, as fotografias de arquitetura, moda, indústria automobilística e as imagens urbanas da capital paulista, produzidas nas décadas de 1960 e 1970, nunca expostas em Fortaleza. Na mostra há também um espaço dedicado ao fotoclubismo, movimento que participou como membro do Foto Cine Clube Bandeirante e que projetou a fotografia brasileira no cenário internacional.


Mucuripe, Frutas e Jericoacoara - Do acervo que permanecem no Ceará, estão séries como Frutas, de 1978, Jericoacoara, sendo esteo último ensaio que realizou, em 1985, e Mucuripe, a famosa documentação sobre os jangadeiros na praia de Fortaleza registrada por Chico Albuquerque em duas épocas distintas. A primeira vez foi em 1952, gerando uma grande repercussão nacional, com exposição no MASP e divulgação em revista de circulação nacional. A segunda, 36 anos depois, em 1988, cujas fotografias compuseram a primeira publicação do livro Mucuripe, lançado no ano seguinte. Editora e curadora também dos livros sobre a obra de Chico Albuquerque, Patricia Veloso lembra que as duas primeiras edições de Mucuripe tiveram o acompanhamento do fotógrafo nos serviços de impressão em São Paulo.

 

 

Recortes e afetos - A exposição reserva um espaço que é chamado pelos curadores como Sala dos Afetos, com registros de pessoas que fotografaram Chico Albuquerque, fotos pessoais, da família e lugares onde morou.

 

 

 Em cartaz até o dia 30 de julho de 2017, no MAC-CE. Visitação: terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MUSEU DA CULTURA CEARENSE – MCC 


Museu da Cultura Cearense é um museu etnográfico que tem como proposta promover a difusão, a fruição e a apropriação do Patrimônio Cultural do Estado do Ceará, aplicando ações museológicas de pesquisa, preservação e comunicação, visando à inclusão e ao desenvolvimento sociocultural.

 

 

 

 

 

Exposição "Miolo de Pote: a cerâmica cearense primitiva e atual" [Salas 3 e 4]

 

 

Reunindo uma série de peças feitas de barro, a mostra apresenta o dinamismo e a vivacidade desta arte ancestral e milenar, no Ceará, além de trazer ainda a contribuição de artistas plásticos e visuais como Bosco Lisboa, Gentil Barreira e Tiago Santana.

 

Potes, panelas, alguidar, caco de torrar café, brinquedos. A exposição Miolo de Pote revela um Ceará uno e múltiplo, similar e diverso, em dia com as heranças indígenas, africanas, ibéricas. “Primitiva e atual, a arte no barro mantém características próprias em cada localidade ou região, seja no tipo de material, no desenho, nas técnicas, seja no resultado final”, define a curadora Dodora Guimarães. Além dela, a mostra tem ainda a contribuição curatorial da historiadora e diretora de museus do Centro Dragão do Mar, Valéria Laena.

 

Miolo de Pote reúne, sobretudo, duas coleções públicas: a do Museu da Cultura Cearense (Instituto Dragão do Mar), feita entre 1997 e 1998, que cobriu a Região do Cariri, Saboeiro e Iguatu; e a da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Governo do Estado do Ceará), adquirida em 2005 e 2006, durante o Projeto Secult Itinerante, que percorreu todo o Estado. Algumas peças advindas do Projeto Comida e da exposição O Fabuloso Mundo do Barro, ambos do MCC, enriquecem a mostra que conta ainda com a participação dos artistas plásticos e visuais Bosco Lisboa, Gentil Barreira, Liara Leite, Sabyne Cavalcanti, Tiago Santana, Tércio Araripe, Terry Araújo e Túlio Paracampos.

 

 

Instalação de Bosco Lisboa
Em julho de 2016, o MCC e o artista Bosco Lisboa desenvolveram uma oficina gratuita, aberta ao público, cujas peças produzidas agora são parte de uma instalação inédita, nesta exposição. Nas aulas ministradas de 19 a 22 de julho, no ateliê da Praça Verde do Dragão do Mar, o artista ensinou as técnicas para se trabalhar com argila.

 

 

Natural de Juazeiro do Norte (CE), Bosco desenvolveu, por mais de dez anos, uma pesquisa com artesãos do Sítio Touro e do bairro Tiradentes, tradicionais redutos da cerâmica de sua cidade natal. Em 1994, passou a moldar o barro tendo em vista sua relação com o cotidiano. Por seu trabalho, recebeu menção honrosa no Salão dos Novos em 1993, em Fortaleza. Entre as exposições coletivas de que participou, destacam-se 1ª Bienal do Cariri (Juazeiro do Norte, 2001), Bienal Naif’s (Sesc Piracicaba, 2004) e Projeto Abolição Tudo É de Barro, no Centro Cultural do Abolição (Fortaleza, 2005).

 

 Em cartaz até junho de 2017, no Piso Intermediário do MCC. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

Exposição Vaqueiros

 

Foto: Marina Cavalcante

 

 

Exposição lúdica, de caráter didático, percorre o universo do vaqueiro a partir da ocupação do território cearense pela pecuária até a atualidade. Utiliza cenografia, imagens e objetos ligados ao cotidiano do vaqueiro.

 

No Piso Inferior do Museu da Cultura Cearense. Aberto somente para visitas agendadas. Contato: (85)3488.8621. E-mail: agendamentomuseus@gmail.com.

 

 

 

 

 

 

 

 

/// ATIVIDADES

 

 

Ações do Núcleo Educativo do MCC

 

 

[PROJETO ANUAL]AMPLIANDO OS OLHARES / DIALOGANDO COM A OBRA
Visitas mediadas para o público espontâneo, sem necessidade de agendamento prévio.

 

É imensurável a diversidade de experiências e aprendizados dos diferentes públicos quando visitam exposições. Os acervos expostos costumam suscitar inúmeras questões: de onde veio? Quem fez? Qual significado? Por que está neste lugar? Para alguns, o diálogo com o educador é essencial para significar o acervo exibido.

 

Todas e todos os (as) interessados (as) em “ampliar os olhares” para as exposições do MCC e “dialogar” com o acervo por meio de atividades diversas (oficinas, contações de história, cine clube, jogos, descoberta dirigida, etc) estão convidados a participar desta programação.

 

QUANDO: aos sábados e domingos de junho, a partir das 17h
ONDE: Somente na exposição “Miolo de pote”
QUEM MEDIA: Educadores do MCC
PÚBLICO ALVO: Famílias, amigos, casais, crianças, estudantes. Público livre.
Informações: 85 3488.8621 ou educamcc@gmail.com

 

 

 

 

 

[PROJETO ANUAL] CINE CULTURA POPULAR

 

O cine debate do Museu da Cultura Cearense tem como proposta a veiculação de curtas-metragens de produtores locais (amadores ou não) que discutam questões pertinentes ao cotidiano cearense. Entendemos este tipo de produção audiovisual como manifestação artística, representação, leitura e ficcionalização da realidade em que vivemos e, portanto, pejado de potencialidades educativas.

 

Cultura popular é compreendida, neste sentido, como um caleidoscópio de possibilidades enunciativas, criativas e poéticas que circunscrevem-se num emaranhado onde a tradição e a ruptura se inter-relacionam. Deste modo, produções que investiguem e façam conhecer as manifestações tradicionais, contemporâneas e populares do rito, da crença, do cotidiano, do centro, do sertão, da cidade e do litoral, das relações sociais, etc serão apresentadas.

 

CURTAS DE MAIO 2017

 

ENCANTÁRIA
Direção: Fernanda Brasileiro
Encantária é o lugar onde seres sagrados se manifestam através de forças da natureza. E através de Pajé Barbosa, da etnia Pitaguary, esse lugar se revela em sua dimensão; seja em uma roda de conversa, caminhando na Serra da Monguba seja em um ritual.
Direção de Produção: Leandro Bezerra |Montagem: Fernanda Brasileiro | Direção de Fotografia: Alisson Severino | Trilha Sonora: Ana Paula Oliveira

 

TEMPO DE LAGOA
Direção: Juan Lima, Luiz James, Marcelino Oliveira e Wagner Abreu
A lagoa acolhe, protege e alimenta aqueles que se achegam em suas margens, lava os que adentram suas águas. Como um manto temporal, desacelera corpos e mentes fustigados pelo fluxo alucinante de uma cidade que teima em lembrar que tempo é dinheiro.

 

QUANDO: 15/06, às 16h
ONDE: miniauditório do MCC
PÚBLICO: livre
Acesso gratuito

 

 

 

 

[PROJETO ANUAL] MUSEU VAI À ESCOLA
Projeto que leva o MCC e a educação patrimonial para dentro da sala de aula.

 

O “Museu vai à Escola” é uma ação voltada para jovens estudantes dos diferentes níveis de ensino. Sua proposta é contribuir, a partir de reflexões e atividades sobre o patrimônio cultural do Estado do Ceará, com uma educação que aponte para questões recorrentes na sociedade atual, suscitadas pelas exposições e acervo do MCC, estimulando os estudantes a pensar sobre o patrimônio cultural brasileiro e fazê-los reconhecer e respeitar a diversidade cultural dos povos e de sua própria localidade, através de ações interdisciplinares em parceria com professores.

 

A atividade é realizada em dois encontros: no primeiro, a equipe do Núcleo Educativo do MCC vai até a escola. Lá, com suporte de materiais didáticos como quadros, imagens ampliadas, réplicas de obras do acervo, fotografias, dentre outros, os educadores realizam discussões dirigidas, palestras e oficinas com a turma, com foco no conteúdo supracitado. Encerra-se esta etapa com a apresentação do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, do Museu da Cultura Cearense e de suas exposições.

 

O segundo encontro (não obrigatório) é realizado com a visita da turma às exposições do MCC. Os professores, coordenadores pedagógicos e demais interessados em realizar a ação com suas turmas, devem entrar em contato com o Núcleo Educativo do MCC pelo telefone 3488-8621 ou pelo e-mail educamcc@gmail.com para agendar a atividade.

 

DATA E HORÁRIO: mediante agendamento prévio.
CONTATOS PARA AGENDAMENTO E INFORMAÇÕES: 3488-8621 / educamcc@gmail.com

 

 

 

 

 

MUSEU FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM
Encontros de formação mensais para professores e coordenadores pedágogicos das redes públicas e privadas de ensino e demais profissionais da educação interessados.

 

Encontro de junho – Possibilidades pedagógicas na exposição Vaqueiros
Certamente você já conhece a exposição Vaqueiros. Em cartaz há 18 anos, no andar inferior do Museu da Cultura Cearense, a mostra já encantou e emocionou milhares de pessoas que por ela passaram e vivenciaram a gostosa sensação do despertar da memória afetiva.

 

Mas quais referências teóricas embasam a exposição? Quais questões seu acervo coloca? Quais as possibilidades de aprendizado e abordagem temática? Quais metodologias os educadores do MCC utilizam com os diferentes públicos? Na atividade, o Núcleo Educativo mergulha no universo de metodologias e práticas de mediação na exposição Vaqueiros.

 

DATA E HORÁRIO: sábado, 17/06, das 9h às 12h.
INSCRIÇÃO: enviar e-mail para educamcc@gmail.com informando: nome, área de atuação profissional, instituição.
PÚBLICO ALVO: Professores, educadores, coordenadores pedagógicos e profissionais de instituições que vistarão o MCC.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA DO MCC

 

 

O Museu da Cultura Cearense se caracteriza por ser um museu etnográfico, cuja proposta educativa fundamenta-se nos princípios da Nova Museologia e numa mediação de base freireana, isto é, Ação-Reflexão como norteadores para o seu Projeto Pedagógico. O museu é compreendido como um lugar de reflexão e produção de conhecimento, ao mesmo tempo em que valoriza as vivências e particularidades de seu público.

 

Ancorado na tríade: pesquisa, conservação e comunicação, é um lugar de debate, sem contudo, perder o encanto e a ludicidade. O MCC valoriza a pluralidade, como elemento enriquecedor para a mediação no espaço expositivo. Essa é uma das razões pela qual o Núcleo Educativo é composto por uma equipe de profissionais e estagiários com formação multidisciplinar.

 

O Projeto Educativo do MCC fundamenta-se também na metodologia da Pesquisa-Ação, que segundo René Barbier, trata-se de uma atividade que compreende e elucida a práxis pelos próprios atores sociais que constituem o grupo, com ou sem especialistas em ciências humanas e sociais práticas, objetivando o avanço dessa práxis.

 

O Museu da Cultura Cearense buscará desenvolver, no decorrer de suas ações educativas, atividades pedagógicas que contemplem a diversidade de público e fomentem a construção e execução de um Projeto Pedagógico colaborativo, com o intuito de fortalecer a mediação cultural e social através da dialogicidade, bem como dos objetos-sígnos que compõem suas exposições.

 

 

Mediações

 

O termo mediação, no universo museal, define o conjunto de práticas que são realizadas, geralmente pela área pedagógica, para promover ações educativas a partir das coleções expostas. Uma visita mediada propõe metodologias nas quais o público possa contribuir com suas próprias experiências e referências sócio-culturais na “leitura” das obras e dos conjuntos que formam as mostras.

 

Classificando as visitas pelo tempo de duração, o Núcleo Educativo do MCC promove as seguintes mediações:

 

 Mediação simples: mediação rápida, mais orientadora, destinada ao público não agendado e espontâneo. Duração de até 15 a 20 min. O visitante deve solicitar aos educadores do museu esta mediação.

 

 Mediação ampliada: mediação problematizadora, formadora, que instiga o visitante a refletir de forma crítica sobre a exposição. Duração de até 01h30min. Direcionada principalmente a grupos previamente agendados, pois precisa de planejamento.

 

 Mediação com oficina: mediação mais prolongada, pois além de ter como ponto central a reflexão, nesta visita atividades de arte-educação são vivenciadas. Por exemplo: teatro de fantoche, desenho, contação de história, roda de conversa e oficinas de acordo com a exposição em cartaz. Duração de até 2hs. Deve ser agendada com mínimo de 15 dias de antecedência para preparação.

 


AGENDAMENTOS

 

Escolas, universidades, ONG’s, companhias de turismo e demais grupos devem agendar previamente a visita aos museus. O agendamento pode ser feito de segunda a sexta, das 9h às 17 h.
  Contato: (85) 3488-8621 E-mail: agendamentomuseus@gmail.com. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CENTRO DRAGÃO DO MAR DE ARTE E CULTURA

Rua Dragão do Mar 81, Praia de Iracema - CEP: 60060-390 - Fortaleza/CE - CNPJ: 02.455.125/0001-31
Informações gerais: 55 (85) 3488 8600 / 55 (85) 3488 8608