FUNCIONAMENTO DO CENTRO DRAGÃO DO MAR

 

Geral: de segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. Bilheteria: de terça a domingo, a partir das 14h.
Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco: de terça a domingo, das 14h às 22h.
Museus: de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); sábado, domingo e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.
Multigaleria: de terça a domingo, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

OBS.: Às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria e bilheterias.

 

 

 

 

   PROGRAMAÇÃO

 

 

Prefere ver a programação do Dragão do Mar dia-a-dia? Chega aqui. Caso contrário, siga para baixo.

 

 

 

 

[Literatura] Lançamento do livro "Transforme isto em outra coisa – um percurso pelas histórias de Fernanda Meireles"
Da autora Naiana Gomes

 

 

Livros também podem ser caixas de surpresas, plataformas de lançamento de foguetes, mapas do tesouro com as coordenadas para mais mapas do tesouro, flechas de longo alcance e alta precisão, portais para cidades amadas, convites para sair pelo mundo. É o que livro “Transforme isto em outra coisa - Um percurso pelas histórias de Fernanda Meireles” deseja ser - Sim, um livro que deseja! A publicação será lançada em primeiro de abril, sábado, no auditório do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Gratuito e aberto ao público, o evento contará com uma programação criada para celebrar encontros vividos em Fortaleza: os que resultaram no livro lançado, mas não só.


Baseando-se na trajetória de Fernanda Meireles, após inúmeros encontros ao longo de dez anos e de entrevistas realizadas entre 2015 e 2016, a jornalista Naiana Gomes projetou e escreveu um livro-reportagem que costura passado, futuro e muito tempo presente. Fortaleza exposta aos tempos surge, portanto, deste livro como tela, ateliê e tema, ponto de encontro e de transformação.


A produção dialoga com a imaginação fecunda da artista, tanto no texto bem humorado, quanto oferecendo ferramentas que expandem a aventura da leitura para além das páginas. São cartões postais, fanzines e estênceis – uma pequena amostra da vasta e diversificada obra de Fernanda, - alinhavados por um projeto gráfico primoroso, assinado pela designer Deborah Meira.


No lançamento do livro, se reunirão ao trio composto por Naiana, Fernanda e Deborah, o grafiteiro Marquinhos Abu, a artista Aspásia Mariana e o jornalista Demitri Túlio, para a roda de conversa “Encontros incríveis na construção da Cidade Solar”. Em seguida, Fernanda, que também é baixista, e o guitarrista Rafael Viana apresentarão o pocket show “Música para corações ocupados”. Continuando a festa, os participantes poderão brincar de desenhar e redesenhar a relação que têm com Fortaleza, em um grande mapa da Cidade criado por Fernanda e fixado no chão do Dragão do Mar.

 

A história de Fernanda Meireles atravessa a Cidade, falando com ela, dela e para ela, em cartões postais, fanzines, quadros, livros, porcelanas desenhadas, adesivos, grafites e mais uma infinidade de artes espalhadas no tempo e no espaço. Contar destes percursos é deparar com uma extraordinária rede de encontros em contínua expansão.

 

“Transforme isto em outra coisa” é um livro, mas deseja ser mais. Como lembra uma das frases de Fernanda: “Acreditar que é, já é, metade de ser”. A outra metade desse caminho será percorrida com o leitor.


Programação
> Roda de conversa "Encontros incríveis na construção da Cidade Solar", com Naiana Gomes, Fernanda Meireles, Deborah Meira, Demitri Túlio, Aspásia Mariana e Marquinhos Abu.
> Pocket show "Música para corações ocupados", com Fernanda Meireles no baixo e Rafael Viana na guitarra.
> Traçar percursos: apresentação de um grande mapa de Fortaleza desenhado por Fernanda Meireles e colado no chão do Dragão do Mar para as pessoas brincarem de desenhar nele um pouco da relação com a Cidade.
> Momento para autógrafos.

 

Dia 1 º de abril de 2017, às 17h, no Auditório e Espaço Mix. Gratuito. Livre. Valor do livro: R$ 80,00.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[Música] Liniker e os Caramelows

 

 

Ícones da música brasileira alternativa, Liniker e os Caramelowsrealizam show único em Fortaleza dia 1º de abril (sábado), no palco da Praça Verde do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, na Praia de Iracema. O primeiro lote de ingressos começou a ser vendido no dia 7 de março na bilheteria do Dragão e no site Bilheteria Virtual.

 

Realizado pela Multi Entretenimento, o show promete reunir os principais sucessos da banda, conhecida pela potência das letras e pela presença de palco irreverente. Depois do sucesso do EP “Cru”, lançado em 2015 e que conseguiu milhões de visualizações no Youtube, Liniker e os Caramelows apresentam o repertório do primeiro disco “Remonta”, lançado em setembro do ano passado.

 

Produzido por Marcio Arantes, o trabalho traz as conhecidas faixas do EP de estreia e outras já cantadas nos shows com uma nova roupagem. Além disso, quatro músicas inéditas foram gravadas. É o caso de “BoxOkê”, que foi registrada com a rapper Tássia Reis e a banda instrumental Aeromoças e Tenistas Russas. Mais nomes enriquecem a ficha técnica de “Remonta”. Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz e As Bahias e a Cozinha Mineira foram alguns dos artistas que passaram pelo estúdio para fazer participações especiais.

 

Todas as letras do disco são de autoria da cantorx e compostitorx Liniker, enquanto a parte musical foi pensada em conjunto por Marcio Arantes e o grupo Caramelows – formado por Rafael Barone (baixo), William Zaharanszki (guitarra), Pericles Zuanon (bateria), Márcio Bortoloti (trompete) e Renata Éssis (backing vocal).

 

As apresentações também foram totalmente remontadas, com novos figurinos, cenografia e repertório. Outra novidade é a presença de mais três músicos de apoio: Fernando TRZ (teclados), Marja Nehme (percussão) e Eder Araújo (saxofone).

 

Pontos de venda:
*Bilheteria na Praça Verde do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura - Terça a domingo, das 14h às 20h (fechado às segundas e feriados)
*Site BilheteriaVirtual.com
Formas de pagamento:
*Site: cartões de crédito Hipercard, Visa, Master e Diners.
*Pontos de vendas físicos: Dinheiro; Cartões de crédito MasterCard, Visa, Diners Club e Hipercard e Cartões de débito Visa Electron, MasterCard débito.



Dia 1º de abril de 2017, às 20h, na Praça Verde. Ingressos 1º lote: R$ 60 e R$ 30 (meia). Classificação etária: 16 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[Teatro Infantil] Pequeno Grande Sonho!
Experimentus Cia de Dança

 

 

Com o que um menino sonha? Muito mais que carrinhos e bola de futebol, o pequenino "Binho" troca tudo por uma sapatilha. O jovem mancebo sonha em ser bailarino. Mas não será fácil driblar as dificuldades que ele terá pelo caminho. Será que ele vai conseguir?

 

O espetáculo aborda questões de gênero e estereótipos na infância, precisamente na hora em que a criança elege suas preferências ao relacionar-se com cores, objetos e atividades.

 

Este solo, interpretado pelo coreógrafo Paulo Lima, põe em discussão o que configura masculino e feminino e porque estas regras ainda imperam na sociedade, causando de maneira espontânea a reflexão dos paradigmas que alimentam esta ordem.

 

Dias 1º e 2 de abril de 2017, às 18h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia). Classificação livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Astronomia] Noite das Estrelas

 


Todos os meses, sempre nas noites de Quarto Crescente Lunar, o planetário disponibiliza telescópios ao público em geral para observação astronômica de Crateras da Lua, Planetas, Nebulosas etc.


Dias 4 a 5 de abril de 2017, das 19h às 21h, em frente ao Planetário. Acesso gratuito. Em caso de céu nublado, a atividade poderá ser interrompida ou cancelada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Teatro da Terça [Temporada de Arte Cearense]
As Bondosas
Cia de Teatro Lua

 

 

Astúcia, Angústia e Prudência são três carpideiras (mulheres que acompanham funerais, pranteando os mortos) que estão saturadas do ofício. Encarregadas de velar o corpo da filha mais jovem de uma família aristocrática, surpreendem-se com o comportamento pouco ortodoxo dos membros da família, a começar pela própria falecida, morta em estranhas circunstâncias.

 

Dias 4, 11, 18 e 25 de abril de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Gratuito. Classificação: 12 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[Palestra] Debate com Ginga
Tema: Consciência corporal e ancestralidade africana
Palestrante: Prof. Dr. Norval Cruz

 

 

O Debate com Ginga é realizado uma vez por mês no Auditório do Dragão do Mar, proporcionando discussões de temáticas que se relacionam com a capoeira. Realizado pelo Grupo Capoeira Brasil, promove ainda oficinas e vivências de manifestações afro-brasileiras ou relacionadas com a capoeira. O debate promove a troca de saberes ao convidar pessoas oriundas de diversos setores da sociedade e de campos do saber. Nesta edição, o tema abordado será "Consciência corporal e ancestralidade africana", com Prof. Dr. Norval Cruz, proprietário da empresa Tempo livre: Espaço de Consciência Corporal e ancestralidade.

 

“O Debate com Ginga é uma proposta de ir além dos espaços mais tradicionais da capoeira, instigando os capoeiristas a buscarem ampliar suas fontes de conhecimento e suas visões das temáticas que atravessam nossa arte”, afirma Luciano Hebert, corda marrom do Grupo Capoeira Brasil e coordenador do projeto.

 

O projeto Debate com Ginga tornou-se Projeto de Extensão da Universidade Federal do Ceará-UFC, pelo Instituto de Educação Física e Esportes – IEFES, desde novembro de 2016. Isto significa que passou a ser reconhecido, conservado e apoiado pela Universidade, como capaz de desenvolver atividades de caráter educativo, social, cultural, científico e tecnológico, envolvendo a Capoeira, cujas diretrizes e escopo de integração com a sociedade, agregam-se às linhas de pesquisa desenvolvidas pelo IEFES-UFC. Deste modo, o projeto será ainda capaz de provocar a investigação científica para alunos da graduação em Educação Física e outras áreas do conhecimento, bem como a socialização destes para quem não tem acesso direto à Universidade, com certificação a todos que dele participarem.  

 

A Capoeira e o Grupo Capoeira Brasil

 

A origem da Capoeira ainda hoje é discutida por diversos estudiosos da área, mas acredita-se que ela remonta aos tempos da escravidão, sendo criada provavelmente pelos negros escravos aqui no Brasil, na ânsia de se libertarem. A capoeira atravessou diversas fases e inúmeras adversidades, sendo até considerada uma prática ilegal e proibida.

 

Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), a Capoeira encontra-se presente em todo o território nacional e em mais de 150 países, tornando-se inviável contabilizar o número de praticantes. A Capoeira hoje é incentivada e amparada por Lei Federal e em 2008 foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, sendo candidata a tornar-se patrimônio da humanidade.

 

O Grupo Capoeira Brasil, fundado em 1988 (ano de comemoração dos 100 anos da Abolição da Escravatura), na cidade de Niterói, pelos mestres Paulinho Sabiá (Niterói – RJ), Boneco (Barra - RJ) e Paulão Ceará (Fortaleza - CE), surgiu com o objetivo de incentivar, divulgar e resgatar a cultura e a arte da Capoeira, valendo-se desse instrumento como um meio de transformação e incentivando os praticantes a se tornarem cidadãos críticos.

 

Dia 5 de abril de 2017, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito e livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nas Ruas do Dragão [Temporada de Arte Cearense]
A Granja

Nóis de Teatro

 

 

O espetáculo “A Granja” estreou em maio de 2009 e hoje ele é, para o Nóis, o contato mais forte com a linguagem popular e brincante do teatro de rua tradicional. Surge pela necessidade de narrar as inquietações dos artistas do grupo enquanto moradores de um bairro de periferia. O cotidiano, as conquistas e os problemas urbanos das favelas são apresentados, discutindo, em cena, as relações de opressor e de oprimido estabelecidas nas lutas de classe.

 

Utilizando como referência a obra “Ubu Rei”, de Alfred Jarry, o texto fala de como “Zé da Granja” se tornou um grande imperador, revelando o controle social, a alienação popular e a territorialização das favelas. Com poesia popular e brincadeira, o espetáculo propõe um ato novo, tão difícil de encontrar na atual sociedade: a possibilidade da construção do pensar.

 

Dias 6, 13, 20 e 27 de abril de 2017, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quinta com Dança [Temporada de Arte Cearense]
Travessia

Studio de Dança Katiana Pena

 

 

O espetáculo Travessia é uma reflexão sobre a vida urbana de periferia, uma leitura do mundo sob a ótica de quem está à margem, sem obrigatoriamente ser “marginal”. É um jornal do dia. Isso porque traz ao palco as contradições do sistema que faz sofrer o preto pobre, o branco pobre, o amarelo pobre, o multicolorido pobre.

 

Dias 6, 13, 20 e 27 de abril de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação: Livre.

 

 

 

 

 

 

 

[Teatro] Amor Confesso
Cia Falácia

 

 

A peça carioca Amor Confesso – que já alcançou mais 30 mil espectadores, em 200 apresentações por todo o Brasil e em Lisboa (Portugal) – se apresenta no Ceará. O palco do espetáculo será no Dragão do Mar, em Fortaleza, entre os dias 07 e 09 de abril, sendo nos dias 07 e 08, às 20h; e no dia 09 a partir das 19h.

 

A montagem, que já foi indicada ao Prêmio Shell na categoria "Melhor Direção" em 2012, tem como inspiração os contos do escritor maranhense Arthur de Azevedo e, dessa forma, popularizar a sua obra construindo um rico intercâmbio de artes – literatura e artes cênicas. 

 

Amor Confesso é uma comédia, mas que traz reflexões que permeiam a cabeça de muitas pessoas nos dias atuais – a arte muitas vezes se confunde com a vida real. Em cena, dois atores, duas cadeiras, um autor, oito contos e uma questão: casar ou não casar?

 

Os atores Claudia Ventura e Alexandre Dantas vão casar e, para comemorar essa união, resolvem montar uma peça: Amor Confesso. Para confessar esse amor escolhem os contos de Arthur Azevedo. Mas durante os ensaios descobrem que a maioria das histórias não tem final feliz. Agora eles estão no palco, horas antes da cerimônia do seu casamento, dividindo com o público a dúvida de casar ou não. Mais uma vez a vida e a arte se misturam.

 

No decorrer da peça, os atores usam a música e diferentes gêneros teatrais – como melodrama, farsa, comédia musical – para darem voz aos diversos personagens dos contos de Arthur Azevedo, cuja obra é marcada pela relação direta com o leitor, por meio de um olhar arguto, crítico e bem humorado. O espetáculo busca popularizar a obra do autor, além de apresentar uma das facetas de Azevedo: autor de contos.

 

Dias 7 e 8 de abril, às 20h; e dia 9 de abril de 2017, às 19h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia). Classificação etária: 10 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[Feira] Feira da Fotografia Fortaleza

 

 

A mais tradicional feira de artigos fotográficos da cidade apresenta mais uma edição neste mês. Além da venda, há ainda palestras e oficinas sobre fotografia. Nesta exposição, sob o tema Carnaval, a FFF apresenta exposição e premiação do 3º Concurso de Fotografia da Feira, além de comemoração dos cinco anos de existência da feira e palestra sobre fotografia de estúdio.

 

Dia 8 de abril de 2017, às 14h, no Auditório e na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[Feira e dança] Fuxico no Dragão + Kizomba, Chegue e Dance!

 

 

O Fuxico no Dragão veio para agitar as tardes de domingo com uma feirinha diferenciada que reúne, a cada edição, vinte expositores de produtos criativos em design, moda e gastronomia. Esses designers e artesãos são novos nomes nessas áreas, encontrando no Fuxico no Drago ãum espaço relevante para atingir o grande público e desenvolver seu empreendedorismo.  Nesta edição do Fuxico, além da feira, recebemos ainda o projeto "Kizomba, Chegue e Dance!". Serão quatro horas de prática de Kizomba, dança a dois de origem angolana. É só chegar e dançar.

 

Dia 9 de abril de 2017, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[Palestra] Golpe de Vista
Tema: Naturezas do Urbano

 


Foto: Galba Nogueira

 

Esta edição do Golpe de Vista trata sobre o espaço urbano de Fortaleza e das resistências de nossos ecossistemas frente à devastação da natureza da cidade. No último século, nossa cidade sofreu intensa transformação que foram de encontro com as paisagens naturais.

 

A fotografia de natureza é ampla. Enquadram-se paisagens cuja presença marcante da fauna, flora, fenômenos meteorológicos e todo o ecossistema nos convida a múltiplas reflexões. Para se ter uma boa foto, é necessário muita calma e paciência, a espera do momento certo, uma interação silenciosa e importante com a natureza.

 


Foto: Lucas Gib

 

A maior contribuição da fotografia de natureza é a conscientização que através da educação ambiental ela pode trazer. Hoje em dia, o mundo comunica-se de forma muito visual e a fotografia nunca foi tão popular e acessível. Portanto, as pessoas param mais para admirar uma foto de natureza e com isso trazer aspectos positivos, no que diz respeito à conscientização ambiental, e difusão de mecanismos de proteção.

Os fotógrafos desta edição nos trarão fotos impactantes de como animais e vegetais resistem à desmatamento, poluição das águas, dos solos e do ar, esgotamento dos recursos naturais e da exuberância de nossa natureza que dentro da urbanidade resiste aos impactos e agressões constantes.

 

Uma edição sobre fotoativismo ambiental e conscientização ecológica.

 

 

Sobre os convidados

 

 

Galba Nogueira

 

Galba Nogueira é fotógrafo e sociólogo. Iniciou sua vida artística em 1993 nas artes cênicas. Ganhador do premio Chico Albuquerque de fotografia em 2014 e ganhador do Concurso Cultural Sua Foto da National Geographic, apontado pelo mesmo site entre as “Top 10” das fotografias mais compartilhadas do ano de 2016.

 

Desde 2010 vem desenvolvendo o projeto “Fotos-Sínteses”, investigando as performances das espécies silvestres na cidade a partir da fotografia. Com foco nos espaços públicos da urbe como parques, praças, lagoas, mangues e praias, o projeto quer revelar a disputa na cidade pela sobrevivência de espécies como Golfinhos, bem-te-vis, gaviões, garças, camaleões, iguanas e suas resistências a um processo acelerado de habitação humana.

 

 

Lucas Dib

 

Lucas de Medeiros Dib, 28, sempre teve contato com animais domésticos e silvestres. Nasceu e cresceu em sítio e sempre observou aves e outros bichos. O passatempo preferido quando criança era coletar insetos durante o dia e soltar a noite. Sempre gostou de estar em ambientes naturais, mais do que em ambientes urbanos. Autodidata na fotografia, aprendeu observando o trabalho de grandes mestres, como Araquém de Alcântara, José Albano, Sebastião Salgado, Maurício Albano.

 

 

Gentil Barreira

 

Autodidata, iniciou as primeiras experiências com fotografia aos 11 anos, montando um pequeno laboratório para revelar seus filmes. Estudou Arquitetura e Urbanismo em São Paulo, mas antes de concluir resolveu voltar a Fortaleza, onde vive até hoje. Ingressou e frequentou por dois anos o curso de Comunicação na UFC, período em que profissionalizou-se como fotógrafo. A influência dos experimentos da Arquitetura e os conceitos e ideias da Comunicação marcaram de forma decisiva seu trabalho e as pesquisas que desenvolve com a fotografia. Para atender aos segmentos de publicidade, moda, retratos e arquitetura, montou um estúdio e vem atuando nesse mercado até o momento.

 

Desenvolve paralelamente trabalho autoral com foco na pesquisa documental e em estudos de luz e movimento. Realizou diversas exposições individuais e participou de importantes coletivas, no Brasil e no exterior. Sua obra, diversas vezes premiada, está presente em acervos de instituições culturais e representada em livros, catálogos, revistas e sites.

 

 

Dia 12 de abril de 2017, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[Dança] Graça
Companhia da Arte Andanças

 

 

Graça é um trabalho que resultou do encontro das coreógrafas Andréa Bardawil e Graça Martins, por ocasião do edital Rumos Itaú Cultural Dança, em 2010, em busca de realizar uma pesquisa cênica em comum. Partindo de trajetórias distintas, cultura popular e dança contemporânea se alinhavam e se fortalecem nas práticas cotidianas de ambas.

 

Do encontro, entre diálogos e conversas gravadas ao longo de seis meses de trabalho, uma pequena mostra das inquietações que atravessam os modos de fazer, resquícios de inquietações que permeiam a prática da dança contemporânea e das danças tradicionais. De que afetos somos capazes nesse exercício de aproximação?  Acordar em nós uma simplicidade despretensiosa – que não implica em gratuidade – é  do que se trata aqui.

 

Dias 14, 15 e 16 de abril de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 12 e R$ 6 (meia). Classificação Livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Teatro Infantil [Temporada de Arte Cearense]
Iroko

Edivaldo Batista

 

 

Iroko é espetáculo para crianças do ator-pesquisador Edivaldo Batista, onde se utiliza das narrativas mitológicas do povo ioruba para apresentar o orixá Iroko. Na cena o ator se utiliza de máscaras para compor as figuras principias que representam a lenda tradicional de um deus que mora dentro da arvore sagrada Iroko.

 

Dias 15, 16, 22 e 23 de abril de 2017, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Polifonias [Temporada de Arte Cearense]
Eletrocactus + Água de Quartinha [música]

 

Eletrocactus - show Todo Cearense Fala Cantando

 

 

Universo repartido em cores. Chão esfacelado em sons. Barulho que vem chegando de longe. Perto passa, fica.

 

Dialogando com os mais díspares elementos hamônico-melódicos da música universal, as bases sonoras da música nordestina aparecem de maneira natural no som do grupo. Maracatu, baião e frevo na estrutura rítmica; embolada, repente e cantoria na construção poética e execuções vocais; acordes e escalas e rock, blues e jazz.

 

A Eletrocactus tem sua substância humana formada por Roberto César Lima (R.C.) com a voz, Gledson Rocha à guitarra, Gleucimar Rocha ao violão, Wesdley Vasconcelos ao contrabaixo e Mauricélio Lima à bateria. O cantor e violonista Marcelo Holanda se integra ao grupo a partir da festa de lançamento, enriquecendo o som e a alma da banda. Acompanha a banda ainda o percussionista Marcos Cortez.

 

+

 

Água de Quartinha – Lançamento do disco Casa Labiríntica

 

 

A banda cearense Água de Quartinha apresenta o show de lançamento do disco Casa Labiríntica, produzido de forma independente, que contou com a captação, mixagem, masterização, e produção musical de Roque Ney Mota (Casa de ensaio estúdio) e teclados de Ivan Timbó. O disco, distribuído pela Tratore, pode ser encontrado nas principais plataformas de streaming (Spotify, Deezer, YouTube, etc.) e lojas digitais (iTunes, Google Play, Amazon, entre outras).

 

Dia 15 de abril de 2017, às 20h, no Anfiteatro. Acesso gratuito. Classificação: Livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tango na Praça

 

 

Venha trocar ideias e dançar junto de admiradores do tango argentino. O projeto mensal traz a prática do tango ao alcance de todos.

 

Dia 19 de abril de 2017, das 19h às 21h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

Encontro de Formação e Capacitação de Folcloristas

 

 

Em sua primeira edição o Encontro de Formação e Capacitação de Folcloristas terá como tema “A preservação da Identidade da Cultura Popular Regional”. O evento terá duração de cinco dias com atividades voltadas a escolas, através da realização do minicurso Folcloreando e uma série de palestras no Auditório do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

 

Por meio da realização dos minicursos busca-se uma maior difusão da temática da Cultura Popular entre o público escolar e através das palestras e intervenções o encontro contribuirá de forma sistemática com o desenvolvimento de folcloristas, brincantes, pesquisadores e estudiosos da cultura tradicional popular e áreas afins, bem como outros produtores culturais, por meio do conhecimento, divulgação e discussão sobre os estudos de manifestações tradicionais populares, e suas diversas metodologias e áreas de pesquisa.

 

A realização do Encontro de Formação e Capacitação de Folcloristas contribuirá para o reconhecimento de várias faces do povo cearense, como também apresentará pesquisas oriundas das mais diferentes tendências, o estudo contemporâneo e a dinâmica das atividades do universo folclórico que vêm se desenvolvendo em nossa sociedade em constante transformação.

 

Esse projeto é apoiado pelo Sindicato dos Artesãos Autônomos do Estado do Ceará – SIARA em colaboração com a Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza. 

 

Com a presença de nomes de reconhecida atuação na pesquisa, no ensino e na gestão voltada a setor da Cultura Popular Tradicional, o Encontro visa o propiciar o envolvimento de pesquisadores e estudiosos cearenses, com os mais recentes estudos e pesquisas, ampliando e favorecendo a discussão dos novos paradigmas que norteiam o saber popular.

 

Parceiros do Encontro

São parceiros deste evento: o Instituto União de Arte, Educação e Culturas Populares, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, o Instituto Dragão do Mar e a Secretaria de Cultura do Estado do Ceará (Secult).  Apoio cultural: Esse projeto é apoiado pelo Sindicato dos Artesãos Autônomos do Estado do Ceará – SIARA em colaboração com a Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza. 

 

PROGRAMAÇÃO Encontro de Formação e Capacitação de Folcloristas
Local: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura - Auditório

 

19/04 Quarta-feira
19h – Memória e Identidade da Cultura Popular Cearense
Palestrante: Cláudio Couto

 

20h – Relevância dos Registros de Pesquisa das Culturas Populares
Palestrante: Simone Castro

 

20/04 Quinta-feira
19h – Os Mestres da Cultura Tradicional Popular como fonte de pesquisa.
Palestrante: Lourdes Macena

 

20h – O reconhecimento dos mestres da Cultura nas políticas públicas no Ceará
Palestrante: Cláudia Leitão

 

Dias 19 a 20 de abril, a partir das 19h, no Auditório. Acesso gratuito. Livre. Informações: (85) 3023.3064.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Espetáculo “Kahlos”

 

 

Vaidade e dor atravessam as cores e a escrita de Frida Kahlo. Movimentos nascem da palavra e da tinta que vão compondo nossas inquietações, afetadas pelo corpo de uma mexicana que se dilacera ora pelos próprios incidentes biográficos, ora pela intensidade dos seus sentimentos.

 

Direção artística: João Paulo Lima
Coreografia: João Paulo Lima e Luisa Bessa
Textos: adaptados do Diário de Frida Kahlo
Música original: Andy Khamidi
Figurino: Pérola Castro e Francisca Oliveira
Iluminação: Izabel Souza
Fotografia: Tim Oliveira
Duração: 45 minutos

 

Dia 21 de abril de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação etária: 12 anos.



 

 

 

 

 

Espetáculo “De las entrañas”

 

 

Objetos, cores, imagens, pessoas não são apenas o que instantaneamente se apresentam aos olhos, eles podem revelar por seus arrebiques imagéticos possibilidades de percebermos os entornos e sentimentos que nos um infundem medo de nós mesmos.

 

Direção artística: João Paulo Lima
Coreografia: Alda Pessoa
Figurino: Alda Pessoa e Francisca Oliveira
Iluminação: Izabel Souza
Fotografia: Paulo Amoreira
Duração: 45 minutos

 

Dia 22 e 23 de abril de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação etária: 14 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mostra Dança em Movimento 2017
Angélica Forte

 

 

A mostra surge com a proposta de lançar os trabalhos produzidos no campo da dança, além de proporcionar um espetáculo de qualidade e beleza.

 

Dia 26 de abril de 2017, às 19h30, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: a confirmar. Classificação livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[FESTIVAL] MALOCA DRAGÃO 2017

 

 

A Maloca Dragão celebra o aniversário do Centro Dragão do Mar que, em abril de 2017, completa 18 anos a serviço da democratização do acesso à arte e à cultura, no Estado do Ceará. Além de marcar os anos de história do Dragão, esse grande festival de artes integradas festeja a efervescência da produção artística cearense.

 

Chegando à quarta edição, a Maloca Dragão já se firmou no calendário cultural da cidade. No ano passado, o festival recebeu mais de 169 mil pessoas, em quatro dias de programação.

 

De 25 a 30 de abril de 2017, em vários espaços do Centro Dragão do Mar e Praia de Iracema. Acesso gratuito. Mais informações: http://malocadragao.com.br.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

// TODA SEMANA NO DRAGÃO DO MAR

 

Feira Dragão Arte
Feira de artesanato fruto da parceria com Sebrae-CE e Siara-CE.
Sempre de sexta a domingo, das 17h às 22h, ao lado do Espelho d'Água. Acesso gratuito.

 

Planeta Hip Hop
Grupos promovem exibições de dança e música hip hop.
Todos os sábados, às 19h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

Brincando e Pintando no Dragão do Mar
Brincadeiras e atividades infantis orientadas por monitores animam a criançada na Praça Verde.
Todos os domingos, das 16h às 19h, na Praça Verde. Gratuito.

 

Fuxico no Dragão
Atrações artísticas e uma feirinha com vinte expositores de produtos criativos em design, moda e gastronomia agitam as tardes de domingo.
Todos os domingos, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO [FECHADO PARA MANUTENÇÃO]




Foto: Marina Cavalcante

 

 

O Planetário Rubens de Azevedo é um espaço de entretenimento e formação pedagógica através de caráter transdisciplinar em Astronomia. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia).

 

 

Sessões

 

O ABC do Sistema Solar
Três crianças estão observando as estrelas quando percebem uma "estrela cadente" e logo uma delas faz um pedido: o desejo de fazer uma viagem até a Lua. De repente, as crianças são teletransportadas para uma nave espacial chamada "Observador". Após superar o medo inicial, elas fazem uma rica viagem pelo Sistema Solar visitando os planetas. Durante a viagem, elas são teletransportadas para Marte e também Vênus, e passam por dentro dos anéis de Saturno. No final, fazem uma perigosa aproximação do Sol.

 

Nos Limites do Oceano Cósmico
A sessão faz uma alusão às perigosas viagens marítimas de antigamente, onde velejar até à "borda do mundo" era algo temido e perigoso. Mas os corajosos Colombo e Magalhães fizeram a tal viagem e descobriram que a Terra é redonda. A apresentação leva o visitante a uma viagem no tempo e espaço até os limites do Universo, descobrindo sua estrutura e também a nossa pópria gênese. É uma fascinante viagem através de impressionantes efeitos especiais em animações de imagens digitais.

 

 

 Sessões aos sábados e domingos:
18h - O ABC do Sistema Solar (sessão infanto-juvenil) 
19h - Nos Limites do Oceano Cósmico - sessão juvenil-adulto

 

 

Atenção:  É obrigatória a apresentação de documento que comprove o parentesco do responsável com a criança menor de 10 (dez) anos de idade no ato de compra do ingresso de qualquer evento/espetáculo do Centro Dragão do Mar. Esta é uma determinação da Justiça do Estado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CINEMA DO DRAGÃO - FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO

 

A programação regular do Cinema do Dragão - Fundação é definida semanalmente, numa parceria entre a Fundação Joaquim Nabuco e a curadoria de Pedro Azevedo e pode ser consultada na página www.dragaodomar.org.br.

 

Informações: 3219.5899 
www.dragaodomar.org.br
programacaocinema@dragaodomar.org.br
Twitter: @cinemadodragao
Facebook: Cinema do Dragão-Fundação


 Ingressos na Bilheteria do Cinema do Dragão -Fundação R$ 14,00 (inteira) e R$ 7,00 (meia). A bilheteria funciona de terça a domingo, das 14h às 22h.

 

 

Também têm direito à meia da meia-entrada, no valor de R$ 3,50, estudantes da Escola Porto Iracema das Artes e da Escola de Artes Thomaz Pompeu Sobrinho e alunos de audiovisual do Centro Cultural Bom Jardim, da UFC, UNIFOR e da Vila das Artes, mediante apresentação de comprovante de matrícula.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO CEARÁ – MAC-CE

 

 

Museu de Arte Contemporânea do Ceará recebe obras de grandes artistas locais, nacionais e internacionais. Atualmente, o MAC-CE está fechado para montagem de nova exposição.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MUSEU DA CULTURA CEARENSE – MCC

 


Museu da Cultura Cearense é um museu etnográfico que tem como proposta promover a difusão, a fruição e a apropriação do Patrimônio Cultural do Estado do Ceará, aplicando ações museológicas de pesquisa, preservação e comunicação, visando à inclusão e ao desenvolvimento sociocultural.

 

 

 

 

 

Exposição "Miolo de Pote: a cerâmica cearense primitiva e atual" [Salas 3 e 4]

 

 

Reunindo uma série de peças feitas de barro, a mostra apresenta o dinamismo e a vivacidade desta arte ancestral e milenar, no Ceará, além de trazer ainda a contribuição de artistas plásticos e visuais como Bosco Lisboa, Gentil Barreira e Tiago Santana.

 

Potes, panelas, alguidar, caco de torrar café, brinquedos. A exposição Miolo de Pote revela um Ceará uno e múltiplo, similar e diverso, em dia com as heranças indígenas, africanas, ibéricas. “Primitiva e atual, a arte no barro mantém características próprias em cada localidade ou região, seja no tipo de material, no desenho, nas técnicas, seja no resultado final”, define a curadora Dodora Guimarães. Além dela, a mostra tem ainda a contribuição curatorial da historiadora e diretora de museus do Centro Dragão do Mar, Valéria Laena.

 

Miolo de Pote reúne, sobretudo, duas coleções públicas: a do Museu da Cultura Cearense (Instituto Dragão do Mar), feita entre 1997 e 1998, que cobriu a Região do Cariri, Saboeiro e Iguatu; e a da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Governo do Estado do Ceará), adquirida em 2005 e 2006, durante o Projeto Secult Itinerante, que percorreu todo o Estado. Algumas peças advindas do Projeto Comida e da exposição O Fabuloso Mundo do Barro, ambos do MCC, enriquecem a mostra que conta ainda com a participação dos artistas plásticos e visuais Bosco Lisboa, Gentil Barreira, Liara Leite, Sabyne Cavalcanti, Tiago Santana, Tércio Araripe, Terry Araújo e Túlio Paracampos.

 

 

Instalação de Bosco Lisboa
Em julho de 2016, o MCC e o artista Bosco Lisboa desenvolveram uma oficina gratuita, aberta ao público, cujas peças produzidas agora são parte de uma instalação inédita, nesta exposição. Nas aulas ministradas de 19 a 22 de julho, no ateliê da Praça Verde do Dragão do Mar, o artista ensinou as técnicas para se trabalhar com argila.

 

 

Natural de Juazeiro do Norte (CE), Bosco desenvolveu, por mais de dez anos, uma pesquisa com artesãos do Sítio Touro e do bairro Tiradentes, tradicionais redutos da cerâmica de sua cidade natal. Em 1994, passou a moldar o barro tendo em vista sua relação com o cotidiano. Por seu trabalho, recebeu menção honrosa no Salão dos Novos em 1993, em Fortaleza. Entre as exposições coletivas de que participou, destacam-se 1ª Bienal do Cariri (Juazeiro do Norte, 2001), Bienal Naif’s (Sesc Piracicaba, 2004) e Projeto Abolição Tudo É de Barro, no Centro Cultural do Abolição (Fortaleza, 2005).

 

 Em cartaz até maio de 2017, no Piso Intermediário do MCC. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

Exposição Vaqueiros [mostra permanente]

 

Foto: Marina Cavalcante

 

 

Exposição lúdica, de caráter didático, percorre o universo do vaqueiro a partir da ocupação do território cearense pela pecuária até a atualidade. Utiliza cenografia, imagens e objetos ligados ao cotidiano do vaqueiro.

 

 Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA DO MCC

 

 

Partindo das especificidades de um museu etnográfico, o Núcleo de Ação Educativa do MCC objetiva formar educadores para atender ao público agendado e espontâneo. Composto por uma equipe multidisciplinar realiza mediações com as mais variadas temáticas relacionadas à cultura popular trazida pelas suas exposições.

 


Mediações
Os educadores do MCC proporcionam as seguintes mediações aos seus visitantes:

 

Mediação simples: mediação rápida, mais orientadora, destinada ao público não agendado e espontâneo. Duração de 15 a 20 min. O visitante deve solicitar aos educadores do museu esta mediação.

 

Mediação ampliada: mediação problematizadora, formadora, que instiga o visitante a refletir de forma crítica sobre a exposição. Duração de até 1h30min. Direcionada principalmente a grupos previamente agendados pois exige planejamento.

 

Mediação com oficina: mediação mais prolongada, pois além de ter como ponto central a reflexão, nesta visita atividades de arte-educação são vivenciadas. Por exemplo: teatro de fantoche, desenho, contação de história, roda de conversa e oficinas de acordo com a exposição em cartaz. Duração de até 2h.

 

 

 O agendamento dos museus do CDMAC pode ser feito de segunda a sexta, das 9h às 17h. Não é fornecido transporte.

Contato: (85)3488.8621
E-mail: agendamentomuseus@gmail.com

 

 Visitas mediadas para portadores de deficiência auditiva, com intérprete de Libra: sextas-feiras, das 12h às 18h30.

 

 

 

CURSO ATENDIMENTO À DIVERSIDADE

O Projeto Acesso está realizando - de 14 a 24 de março e de 4 a 14 de abril - Curso de Atendimento à Diversidade dirigido aos educadores do Museu da Cultura Cearense (MCC) e Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE). Por intermédio de diálogos e práticas acerca de Orientação e Mobilidade, Sistema Braille, Tecnologia Assistiva e Audiodescrição, os educadores de museus terão a possibilidade de compreender o universo das pessoas cegas e de baixa visão e propiciar a este público de museus uma experiência inclusiva.

 

 

 

 

 

[PROJETO ANUAL] AMPLIANDO OS OLHARES / DIALOGANDO COM A OBRA
Visitas mediadas para o público espontâneo, sem necessidade de agendamento prévio.

 

É imensurável a diversidade de experiências e aprendizados dos diferentes públicos quando visitam exposições. Os acervos expostos costumam suscitar inúmeras questões: de onde veio? Quem fez? Qual significado? Por que está neste lugar? Para alguns, o diálogo com o educador é essencial para significar o acervo exibido.

 

Todas e todos os (as) interessados (as) em “ampliar os olhares” para as exposições do MCC e “dialogar” com o acervo por meio de atividades diversas (oficinas, contações de história, cine clube, jogos, descoberta dirigida, etc) estão convidados a participar desta programação.

 

QUANDO: aos finais de semana de abril, a partir das 18h 
ONDE: Nas exposições do MCC
QUEM MEDIA: Educadores do MCC.
PÚBLICO ALVO: Famílias, amigos, casais, crianças, estudantes. Público livre.
GRATUITO
Informações: 85 3488.8621 ou educamcc@gmail.com

 

 

 

 

 

 

[PROJETO ANUAL] CINE CULTURA POPULAR
É o cine debate do Museu da Cultura Cearense, cuja a programação é construída pelo público.

 

O Núcleo Educativo do Museu da Cultura Cearense realiza atividades de caráter pedagógico, tendo como escopo a formação diversificada, crítica e reflexiva sobre o patrimônio e a memória dos grupos, sujeitos e práticas da cultura cearense. O Cine Cultura Popular tem como proposta a veiculação de curtas-metragens de realizadores cearenses, fomentando pontes de diálogo com os diferentes realizadores e público apreciador que participa das nossas programações.

 

Seu intuito é dialogar com produções que tragam temáticas pertinentes ao universo museológico do MCC e que proponham diferentes perspectivas e formas de olhar para a cidade e entender sua dinâmica. Cultura popular é compreendida, neste sentido, como um caleidoscópio de possibilidade enunciativas, criativas e poéticas que circunscrevem-se num emaranhado onde a tradição e a ruptura se interrelacionam. Deste modo, produções que investiguem e façam conhecer as manifestações tradicionais, contemporâneas e populares do rito, da crença, do cotidiano, do centro, do sertão, da cidade e do campo, das relações sociais, são desejadas.

 

CURTAS DE ABRIL 2017

 

QUANDO: 27/04
ONDE: miniauditório do MCC
HORÁRIO: 17h 



Filme 1: Pasárgada, Wanderlust
Direção: Thalys Santana
Depoimentos: Lisa EineMann
Sinopse: Depoimentos de uma estudante alemã e descrições visuais sobre a proximidade física entre as diferenças sociais na cidade de Fortaleza.

 


Filme 2: Sintera 
Direção: Fellipe Farias 
Sinopse: O Sintera faz parte de uma pesquisa realizada para finalização do curso de Bacharelado em Humanidades, pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, do concludente Fellipe Farias. O filme aborda a temática da Educação Não Formal, na perspectiva de um processo de ocupação secundarista, numa escola de Fortaleza-CE. As pessoas entrevistadas trazem suas experiências de aprendizado e a conjuntura precária da educação e a aplicação desta.

 


PÚBLICO ALVO: (jovens, estudantes, artistas e interessados em geral a partir de 12 anos. GRATUITO

 

 

 

 

 

[PROJETO ANUAL] MUSEU VAI À ESCOLA
Projeto que leva o MCC e a educação patrimonial para dentro da sala de aula.

 

O “Museu vai à Escola” é uma ação voltada para jovens estudantes dos diferentes níveis de ensino. Sua proposta é contribuir, a partir de reflexões e atividades sobre o patrimônio cultural do Estado do Ceará, com uma educação que aponte para questões recorrentes na sociedade atual suscitadas pelas exposições e acervo do MCC, estimulando os estudantes a pensar sobre o patrimônio cultural brasileiro e fazê-los reconhecer e respeitar a diversidade cultural dos povos e de sua própria localidade, através de ações interdisciplinares em parceria com professores.

 

A atividade é realizada em dois encontros: no primeiro, a equipe do Núcleo Educativo do MCC vai até a escola. Lá, com suporte de materiais didáticos como quadros, imagens ampliadas, réplicas de obras do acervo, fotografias, dentre outros, os educadores realizam discussões dirigidas, palestras e oficinas com a turma, com foco no conteúdo supracitado. Encerra-se esta etapa com a apresentação do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, do Museu da Cultura Cearense e de suas exposições. O segundo encontro (não obrigatório) é realizado com a visita da turma as exposições do MCC.

 

COMO LEVAR O MCC À MINHA ESCOLA?
Os professores, coordenadores pedagógicos e demais interessados em realizar a ação com suas turmas devem entrar em contato com o Núcleo Educativo do MCC pelo telefone 85 3488.8621 ou pelo e-mail educamcc@gmail.com para agendar a atividade. GRATUITO.

 

 

 

 

 

[PROJETO ANUAL] MUSEU: FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM
Como se dá a relação museu-escola? Como o museu pode contribuir com relação aos conteúdos vistos em sala de aula? Como planejar uma visita adequada para a minha turma?

 

A programação Museu Ferramenta de Aprendizagem tem o propósito de criar pontes de diálogo entre o MCC e professores, educadores, coordenadores pedagógicos e demais profissionais que lidam com a educação formal ou não-formal no sentido de aproximar as práticas educativas  desenvolvidas no MCC com a de outros espaços.

 

Neste encontro, a equipe do Núcleo Educativo do MCC apresentará sua metodologia de trabalho com as diferentes faixas etárias nas exposições, o caráter interdisciplinar que vincula o acervo a inúmeros campos de conhecimento, a perspectiva educacional que direciona a prática do educativo. Por fim, apresentaremos e distribuiremos aos participantes os Planos de Mediação desenvolvidos pelos educadores, que propõem diferentes caminhos para a realização de mediações nas exposições em cartaz no MCC.

 

QUANDO: 08/04 (sábado), das 9h às 12h
ONDE: Miniauditório do MCC
QUEM MEDIA: Ícaro Souza, Coordenador do Educativo do MCC
PÚBLICO ALVO: Professores, educadores, coordenadores pedagógicos e profissionais de instituições que vistarão o MCC.
GRATUITO

 

 

 

 

 

[DIÁLOGO CULTURAL] UMA CONVERSA SOBRE FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA: NARRATIVA, COMUNICAÇÃO E IMAGEM

 

Pensar fotografia no plano visual e para além dele requer uma intimidade, às vezes, confessional para com a imagem e 'sua' narrativa. Essas, por sua vez, também não se dão de forma separada, imbricando-se no fazer fotográfico, tanto quanto na fotografia. Imagem, narrativa e fotografia caminham, aqui, juntas mais uma vez.

 

QUANDO: 20/04 (quinta), das 18h às 19h30
ONDE: Miniauditório do MCC
QUEM: Eduardo Barros Leal | Graduando em Comunicação – Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Ceará (UFC), começou seus estudos nas áreas de fotografia e imagem no início da sua graduação. De 2015 a 2017 foi educador pelo programa de estágios do Instituto Dragão do Mar no MAC-CE na área de pesquisa e acervo do museu. Nos seus trabalhos, outras linguagens se fizera presentes, a colagem, o desenho e os trabalhos em vídeo firmam essa nova fase produtiva. Participou da exposição “Cartas Compartilhadas” (2016) realizada no MIS-CE. Atualmente é bolsista do programa Arte na Biblioteca da Secult UFC.
PÚBLICO ALVO: livre.
GRATUITO

 

 

 

 

 

[DUPLO DIÁLOGO CULTURAL]

1. DRAGÃO DO MAR: O HOMEM E O MITO
Quem foi "Chico da Matilde"? Por que ficou conhecido como "Dragão do Mar"? Em que momento histórico ele viveu? Qual foi a sua participação na luta contra a escravidão? O que aconteceu com ele depois da abolição dos escravos no Ceará e no Brasil? Essas e outras reflexões procurarão entender a vida, o tempo e os dilemas de Francisco do Nascimento, cearense de Aracati, que esteve na greve do porto de Fortaleza contra o tráfico negreiro e teve o seu nome aclamado Brasil a fora.

 

QUANDO: 28/04 (sexta), das 16h às 17h30
ONDE: Miniauditório do MCC
QUEM: Gleudson Passos Cardoso | Pesquisador, Historiador e Professor no curso de História e no Mestrado Acadêmico em História e Cultura (MAHIS) na Universidade Estadual do Ceará (UECE). Tem pesquisas e artigos publicados nas seguintes áreas: Cultura e Poder, Cultura e Cidades, Literatura Cearense, Literatura no Ensino de História, Literatura Medieval, Turismo Cultural e Patrimônio Cultural. Realizou pesquisa histórica e iconográfica para o MCC (2009-2010) com o tema “Dragão do Mar, o homem e o mito”.
PÚBLICO ALVO: Estudantes, pesquisadores, amantes e demais interessados.
GRATUITO

 

+

 

2. CONSUMO CULTURAL 
Informações em breve.

 

QUANDO: 28/04 (sexta), das 18h às 19h30
ONDE: Miniauditório do MCC
QUEMKadma Marques | Doutora em Sociologia e professora adjunta do curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Atualmente é Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia - PPGS/UECE. Tem experiência na área de Sociologia da Arte. Trabalha principalmente com os seguintes temas: economia criativa, sociologia da arte e da cultura urbana.

Sérgio Sobreira Araújo | Doutor pelo Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal da Bahia. É Professor Adjunto 3 da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia. Atuou como gestor e produtor cultural por cerca de 20 anos. Desenvolve pesquisa nas áreas de comunicação e cultura, com ênfase em: cultura e desenvolvimento, economia da cultura, gestão e produção cultural, públicos e mercados culturais, políticas públicas de cultura.
PÚBLICO ALVO: Estudantes, pesquisadores e demais interessados. 
GRATUITO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CENTRO DRAGÃO DO MAR DE ARTE E CULTURA

Rua Dragão do Mar 81, Praia de Iracema - CEP: 60060-390 - Fortaleza/CE - CNPJ: 02.455.125/0001-31
Informações gerais: 55 (85) 3488 8600 / 55 (85) 3488 8608