FUNCIONAMENTO REGULAR DO DRAGÃO DO MAR

 

// Geral: de segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. // Bilheterias: de terça a domingo, das 14h às 20h.
// Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco: de terça a domingo, das 14h às 22h.
// Museus e Multigaleria: terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

// Atenção: às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria nem bilheterias.

 

Acompanhe nossa programação também pelas redes sociais:
Facebook: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura
Instagram: @dragaodomar
Periscope e Twitter: @_dragaodomar

 

 

 

 

 

 

 

 

Orientação:  É obrigatória a apresentação de documento que comprove o parentesco do responsável com a criança menor de 10 (dez) anos de idade no ato de compra do ingresso de qualquer evento/espetáculo do Centro Dragão do Mar. Esta é uma determinação da Justiça do Estado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 


PROGRAMAÇÃO DE FEVEREIRO DE 2016

 

 

 

 

 

 

 

► Teatro da Terça [Temporada de Arte Cearense]
Máquina Fatzer – Diga que você está de acordo!

Teatro Máquina

 

 

"Diga que você está de acordo!" parte dos fragmentos do Fatzer de Brecht, escritos entre 1926 e 1931.  A fábula brechtiana se passa na I Guerra Mundial: quatro soldados alemães desertores se veem confinados na casa de um deles. Os quatro tentam chegar a um consenso para cada decisão, em paródia à formação dos sovietes. Entre as figuras, Fatzer é o egoísta.

 

Na montagem do Teatro Máquina, o grupo se desafia a enfrentar o material textual inacabado e desenvolver uma dramaturgia da cena, explorando a guerra como situação motriz para improvisar e descobrir como a linguagem e o tempo do teatro podem expressar os extremos da espera, da violência e da comunicação.

 

Na encenação de sua MÁQUINAFATZER, o grupo dá forma ao fragmento em tensão, repetição, engajamento físico e na construção/destituição de uma língua inventada. O espetáculo explora a potência do tempo presente em criação de ação contínua, transfigurando os fantasmas do passado e do futuro no agora da representação. 

 

Dias 2, 16 e 23 de fevereiro e 1º de março de 2016, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Asja Lacis Já Não Me Escreve [III Mostra de Artes Porto Iracema]
Grupo Terceiro Corpo

 

Asja Lacis, colaboradora de Meyerhold e de Eisenstein, próxima do grupo de Maiakóvski, foi amante de Walter Benjamin e, por intermédio dela, Brecht e Benjamin se conheceram. No início da Segunda Guerra Mundial, ela desapareceu num campo de concentração stalinista. “Asja Lacis já não me escreve”, registra Brecht em seu diário de janeiro de 1939.

 

O Grupo Terceiro Corpo apresenta parte de sua investigação sobre a figura de Asja Lacis, fruto de uma pesquisa cênico-dramatúrgica focada no trabalho de ator e na ideia de “solo coletivo”, no qual várias atrizes partilham a mesma personagem em cena. 

 

Dia 3 de fevereiro de 2016, às 19h, no Teatro Dragão do Mar. Gratuito. 14 anos.

 

 

 

 

 


 

 

► Tita & Nic [Temporada Cearense de Comédias]
Cia Cearense de Molecagem

 

 

A produção cinematográfica hollywoodiana ganha uma roupagem satírica quando seis atores se esmeram para interpretar os 2.500 personagens. Há 15 anos em cartaz, a sátira Tita & Nic já teve público de quase meio milhão de pessoas em mais de 1000 apresentações. É início do século e as invenções pipocam de cabo a rabo. Eis que surge a jangada Lamparina do Mucuripe. A multidão embarca sem saber que ruma para um cômico destino em águas profundamente fétidas.

 

Nesse contexto, pinta o maior clima entre o humilde da 3ª classe Nic e a melancólica, virgem e sufocada aristocrata da 1ª classe, Tita. Por amor, os dois passam por mil peripécias. Por fim, após muita celeuma, a mocinha melosa e o galã canastrão vivem felizes para sempre. Essa é a versão cearense para o sucesso de bilheteria de James Cameron, contada por uma trupe de comediantes prontos para arrancar risos por onde passa.

 

Dia 5 de fevereiro de 2016, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia). 12 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Kaya no Choro – Homenagem a Pixinguinha
Participação especial de Macaúba do Bandolim

 

Pixinguinha

 

O Projeto Kaya no Choro tem a singularidade de promover o encontro entre os clássicos do choro e a juventude. Com jovens advindos de diversas formações musicais, compõem a banda Clarisse Aires (flauta transversal), Raul Porfírio (guitarras/violão/técnico de áudio), Iury Batista (contrabaixo), Tauí Castro (pandeiro), Fernando Lélis (saxofone) e Tchelmy (percuteria).

 

 

Macaúba do Bandolim

 

O grupo se firma, nesse encontro, com uma linguagem musical contemporânea, em que o antigo e o moderno dialogam de forma harmoniosa e competente. Para o show “Pixinguinha a Passeio”, contará com a presença do mestre do chorinho Macaúba do Bandolim (bandolim/guitarra baiana). 

 

Dia 6 de fevereiro de 2016, às 19h, no Anfiteatro. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Loucuras de Amor [Temporada Cearense de Comédias]
Cia Cearense de Molecagem

 

 

O território inseguro, denso e impreciso dos apaixonados. A complicada engenharia da atração. As fidelidades e infidelidades, encontros e desencontros. A cômica sinfonia dos relacionamentos, sempre ao ritmo do inesperado ou do próprio bater do coração. Homens e mulheres ansiosos por encontrar a outra metade da laranja, o sapato do seu pé, a alma gêmea, nem que para isso tenham que fazer uma Loucura de Amor. 

 

Nessa comédia romântica, a depiladora Alberlênia Tenório tenta definitivamente embarcar na rodoviária com destino à terra natal. A intenção é deixar o passado para trás e, com ele, um relacionamento de 15 anos. O que ela não esperava é que seu ex ou para sempre amor, o mototaxista Quintino Paixão, iria arquitetar maneiras de persuadi-la a mais uma mudança de ideia.

 

Melodramas à parte, os momentos bons e ruins vividos pelo casal vem à tona e à cena. Situações que podem provocar uma identificação imediata de um público que, na altura do campeonato, já se tornara cúmplice ansioso no aguardo desse alucinado engodo amoroso.

 

Dia 6 de fevereiro de 2016, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia). 12 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Orquestra Filarmônica do Ceará – Carnaval Sinfônico

 

 

Além de contar com a participação especial da Big Band Spalla Brassdo maestro Cacá, o Carnaval Sinfônico da Orquestra Filarmônica do Ceará executará marchinhas inesquecíveis de todos os carnavais. Quem não se lembra de “Bandeira Branca”, “Taí”, “Olha a cabeleira do Zézé!”, “Me dá um dinheiro aí” e tantas outras marchinhas que ficaram no consciente coletivo de tantas gerações. Na festa, será escolhido ainda a Rainha e o Rei do Carnaval da Maior idade, pela melhor fantasia e maior alegria.  

 

Dia 7 de fevereiro de 2016, às 19h30, no Anfiteatro. Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As Vizinhas [Temporada Cearense de Comédias]
Cia Cearense de Molecagem

 

 

É uma sátira comportamental com a qual a trupe de comediantes promete mais uma embolada de risos, mostrando relacionamentos entre desconhecidos com uma roupagem genuinamente cearense. Uma recém-divorciada e uma funcionária pública de férias vão fazer dessa convivência forçada algo para lá de surpreendente.

 

Cada qual com os seus jeitos e manias, passam a conviver no mesmo condomínio, no mesmo bloco de apartamentos e no mesmo corredor. Mulheres divergentes e alucinadas passam a se tolerar de qualquer jeito. Tudo isso só poderia resultar numa coisa: muitas intrigas, fofocas, inveja, confusão e riso para todos os lados. 

 

Dia 7 de fevereiro de 2016, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia). 12 anos.

 

 

 

 

 

 

 


 


[Des]prender [novo horário!]
Grupo Panelinha de Teatro

 


Ele veio por um copo de vinho, pelo desejo em meus olhos, pela conversa dentro do carro, pelo cheiro da minha pele que fixou em sua camisa, a fome que bateu e ele estava sem dinheiro, assim como também para passar o tempo, já que não iria fazer nada em casa. Seria realmente uma noite para se guardar na memória.

 

Dias 13, 14, 20, 21 de fevereiro de 2016, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). 14 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sax in Cena [Circuito de Música Erudita]

 


Primeiro quarteto de saxofones profissional do Ceará, o grupo Sax in Cena apresenta obras de compositores franceses e peças de Alberto Nepomuceno.


Dia 14 de fevereiro de 2016, às 18h, no Auditório. Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Noite das Estrelas

 

 

O programa funciona há 10 anos no Planetário Rubens de Azevedo e já recebeu milhares de pessoas entre turistas e público local. Todos os meses, sempre nas noites de Quarto Crescente Lunar, o planetário disponibiliza telescópios ao público em geral para observação astronômica - Crateras da Lua, Planetas, Nebulosas etc. A participação é gratuita, sempre a partir das 19h nos finais de semana de Quarto Crescente Lunar, basta chegar no planetário e entrar na fila. Confira as datas na tabela abaixo. Atenção! Em noites nubladas, a sessão não é realizada. 

 

Dias 16 e 17 de fevereiro de 2016, às 19h, em frente ao Planetário. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


► Golpe de Vista #14
Com Iana Soares e Osmar Gonçalves

 

 

Ciclo mensal de conversas sobre fotografia traz um tema a cada edição e convidados do meio para palestras. Nesta edição, o tema é "Fotografia e Filosofia". Para filósofos como Benjamin, Kracauer, Flusser e Sontag, a fotografia inaugurou uma nova modalidade discursiva, outra forma de escrita fundada já não mais na palavra, mas numa sintaxe composta por imagens. Aos olhos deles, o surgimento do aparelho fotográfico teria mesmo um caráter revolucionário comparado apenas à invenção da escrita, pois a fotografia teria a capacidade singular de reunificar o pensamento, de libertar-nos do império do conceitual, de uma cultura excessivamente textolátrica e logocêntrica, nos ensinando a pensar por imagens.

 

 

 

Um pensamento que tem suas próprias qualidades estéticas, ontológicas e que não pode ser recuperado pela linguagem verbal. Talvez por isso, quase todos eles, tenham não apenas teorizado sobre a fotografia – investigando sua importância estética, política, epistemológica –, mas procurado pôr em prática suas metamorfoses perceptivas, transformando em escrita e pensamento um modo de ser essencialmente fragmentário, disruptivo, imagético. 

 

Palestra de abertura "Cartas Abertas"
Jean dos Anjos e seu ensaio “O céu de iemanjá"

 

 

Sobre os convidados

 


.Osmar Gonçalves
Osmar Gonçalves é pós-doutor pela Universidade Sorbonne Nouvelle (Paris III) com bolsa CAPES. Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com bolsa-sanduíche na Bauhaus Universität-Weimar (Alemanha), financiada pelo DAAD/CAPES. Pesquisador e fotógrafoé membro do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará (UFC) e professor Adjunto III dos Cursos de Comunicação e Cinema e Audiovisual da UFC, concentrado principalmente nas áreas de fotografia, teoria da imagem e estética do audiovisual. É um dos coordenadores do Grupo de Pesquisa VilémFlusser. Organizou os livros Narrativas Sensoriais: ensaios sobre cinema e arte contemporânea (Circuito, 2014), ganhador do Prêmio FUNARTE de Estímulo à Produção Crítica em Artes Visuais e, junto com Susana Dobal, Fotografia Contemporânea: fronteiras e transgressões (Casa das Musas, 2013).

 


.Iana Soares
Iana Soares, 29 anos, é jornalista e fotógrafa. Atualmente é editora-adjunta do Núcleo de Imagem do Jornal O POVO, em Fortaleza, onde trabalha desde 2009, e diretora do Instituto da Fotografia (Ifoto). Fez mestrado em Criação Artística Contemporânea, na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Barcelona (Espanha). É graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal do Ceará (2013) e formou-se em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Ceará (2008). Em 2015, foi ganhadora do Prêmio BNB de Jornalismo (Fotografia Nacional). É professora de fotografia na escola Travessa da Imagem.


Já trabalhou com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e virou cientista social pesquisando o processo de afirmação étnica dos índios Tremembé de São José e Buriti. Se interessa pelos processos de ficcionalização do cotidiano, dentro da fotografia contemporânea. O real imaginado, o documentário imaginário, a fotografia como possibilidade de inventar o real. Durante a graduação em Comunicação Social, foi bolsista de iniciação científica do CNPq e da Funcap. Concluiu o curso pesquisando as interseções entre ficção e realidade, estética e política na obra do fotógrafo argentino Marcos López.


Já expôs “A face desnuda do Maracatu Ou uma declaração de amor ao Zé Rainha”, coletivamente com Silas de Paula (2011), ganhador do Prêmio Marc Ferrez de Fotografia (Funarte), e “Entre Orillas”, com fotos de viagem pela América Latina, em 2013, além de participar de diversas mostras coletivas, como os Encontros de Agosto (2011 e 2013) e mostras de fotojornalismo. Em 2015, participou de das exposições “Mapes Des-orientats” e “Traç Baix Walk”, em Barcelona (Espanha).

 

Dia 17 de fevereiro de 2016, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os Miseráveis [III Mostra de Artes Porto Iracema]
Grupo Formosura


O Grupo Formosura se propôs a estudar e encenar Os Miseráveis, de Victor Hugo, desejando também aprofundar sua investigação sobre o boneco geminado. O experimento que se apresenta aqui, fragmento do espetáculo em construção, traz o desafio de aliar a técnica do boneco geminado a uma narrativa extensa, já que este tipo de boneco exige a síntese da dramaturgia falada, para que as imagens possam surgir em sua potência. Para os atores, o grande desafio dessa pesquisa é o de se permitir ser complemento do boneco, treinando um corpo maleável e ao mesmo tempo submetido à estética do geminado.

 

Dia 17 de fevereiro de 2016, às 19h, no Teatro Dragão do Mar. Gratuito. 12 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Teatro Infantil [Temporada de Arte Cearense]
Brincadeiras Perdidas
Betha Produções

 

 


Um palhaço e uma boneca são brinquedos velhos e abandonados que estão jogados em uma caixa de brinquedos, dentro do quarto de uma criança que só quer brincar com o seu computador. Mel foi a boneca mais linda e desejada por todas as crianças de sua época e Pitoco era o palhaço do Circo Encantado, o mais extraordinário, talentoso e atrapalhado de todos os palhaços do mundo.

 

Substituídos pelo novo brinquedo, o computador, nossos heróis querem reconquistar o seu espaço. Jogos e brinquedos viram objetos de disputa na luta entre as brincadeiras infantis e os games de computador. Buscando descobrir o lúdico das antigas brincadeiras e as vantagens e desvantagens da era digital, o espetáculo nos mostra um mundo atual e muitas dúvidas reais. Agora, tudo pode acontecer até um deles mudar o jogo.


Dias 20, 21, 27 e 28 de fevereiro de 2016, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). Livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Feira da Fotografia Fortaleza

 

 


Nesta edição, a feira apresenta exposição de imagens de Carnaval produzidas por grandes fotógrafos do Ceará. Além da feira de artigos fotográficos, os participantes poderão conferir palestra do especialista em fotografia "new born", o fotógrafo Sândalo Costa, a partir das 15h.

 

Dia 20 de fevereiro de 2016, a partir das 14h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Awa Xire – Nossas Brincadeiras


O Coletivo Cultural de Matriz Africana IBILÉ convida a toda comunidade de matriz africana do Ceará, amigos e simpatizantes para ato público de repúdio ao preconceito e atentado criminosos. Vamos todos juntos dizer que não aceitaremos mais a invisibilidade que querem impor ao nosso povo, por isso convocamos a todos para reunidos cantarmos, dançarmos e louvarmos nossas ancestralidade. Faremos em forma de ato público o AWA XIRE – NOSSAS BRINCADEIRAS.


Dia 21 de fevereiro de 2016, às 16h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Performance Multimídia [Temporada de Arte Cearense]
Passe-Partout
No Barraco da Constância Tem!


O acontecimento ao vivo de uma peça visual e a performatividade na criação de um quadro. Como é possível pensar a efemeridade de um objeto e como deslocar a importância da sua finalização para o momento da sua criação? Como pensar o processo e não o resultado enquanto obra? Como um objeto de arte deixa de ser um objeto? Como um objeto de arte deixa de ser para sempre?

 

Criada a partir de peças de pintura extraídas de Grapefruit – O livro de instruções e desenhos de Yoko Ono, publicado em 1964, esta ação busca levantar questões acerca da performance e do quadro, do corpo e do objeto, da tridimensionalidade e da bidimensionalidade, da efemeridade e da durabilidade nas artes visuais, bem como da reprodutibilidade, da valoração e da destruição.

 

Dia 21 de fevereiro de 2016, às 18h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quarteto Cearense [Circuito de Música Erudita]

 

 

O Quarteto é um dos grupos da Orquestra de Câmara Eleazar de Carvalho e apresentará repertório que vai do barroco ao contemporâneo.


Dia 21 de fevereiro, às 18h, no Auditório. Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um Corpo Em Final de Festa [III Mostra de Artes Porto Iracema]
Inquieta Cia de Teatros


A montagem é apenas o enunciado propulsor desenvolvido pela Inquieta Cia de Teatros para uma pesquisa que parte de modos de composição cênica pautados no trabalho coletivo e polifônico de atuação e encenação. Além do enunciado inicial, utilizamos diversos disparadores para a construção de treinamentos, performances e dramaturgias, desenvolvidas por atores que encenam, encenadores que atuam.

 

Dia 24 de fevereiro de 2016, às 19h, no Teatro Dragão do Mar. Gratuito. 18 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Tango na Praça

 

 

Venha trocar ideias e dançar junto de admiradores do tango argentino. O projeto mensal traz a prática do tango ao alcance de todos.


Dia 24 de fevereiro de 2016, das 19h às 21h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Mostra Eddie Saeta – Cinema Feito com Coração [Temporada de Arte Cearense]

 

 

Há 25 anos, Luis Miñarro, produtor espanhol, iniciou uma aventura que não sabia como terminaria. A concepção de uma produtora cinematográfica focada em filmes de alto risco, de grande valor artístico, que se transformaria na maior produtora de cinema de autor na Espanha: Eddie Saeta. As obras cinematográficas desta importante produtora serão exibidas gratuitamente no Cinema do Dragão do Mar – Fundação Joaquim Nabuco durante a Mostra Eddie Saeta – Cinema Feito com Coração, de 25 de fevereiro a 3 de março.

 


O público presente nas exibições terá ainda um privilégio especial: ter todos os filmes apresentadas pelo próprio criador de Eddie Saeta, Luis Minãrro. Convidado especial do evento, Minãrro participará também de uma masterclass para compartilhar a sua experiência de co-produção internacional e sobre a sua maneira de ver o cinema.

 


O trabalho criativo de Eddie Saeta tornou conhecidos os primeiros filmes de consagrados diretores como Isabel Coixet, Marc Recha, Albert Serra, José Luis Guerín, Daniel V. Villamediana, Javier Rebollo e José María Orbe. A produtora também se lançou para além das fronteiras da Espanha para encarar coproduções internacionais, mas sem perder o olhar sensível, pessoal e único acerca do cinema contemporâneo. Liverpool, de Lisandro Alonso, Girimunho, de Helvecio Marins e Clarissa Campolina, ou El Somni, de Christophe Farnarier, adentraram no mercado internacional graças ao apoio de Eddie Saeta. Conquistou a Palma de Ouro no Festival de Cannes, que é o mais prestigiado festival internacional de cinema de autor, com o filme Tio Boonme, que revive as vidas passas, de Apichatpong Weerashetakul.

 

 

A Mostra é uma possibilidade de conferir uma série de títulos com reconhecimento internacional e grande qualidade artística; além de uma merecida homenagem ao produtor que soube apostar em filmes que nos modificam através de um cinema poético, sensível e arriscado.

 


“A palavra cultura se origina de cultivar e às vezes se esquece da importância de manter certo tipo de propostas. Na produção sempre há particularidades com cada filme e é preciso apostar tudo para que essa magia de luzes e sombras possa nascer”.  - Luis Miñarro     

 


Período: 25/02 a 02/03 (Horário a ser divulgado) // Gratuito

 

 

Filmes confirmados para exibição na Mostra Eddie Saeta

 

O Tio Boonme que se Lembra das suas Vidas Anteriores, de Apichatpong Weerashetakul  (Tailândia/Inglaterra, 2010, 113min, 18 anos)
Sofrendo de insuficiência renal, Tio Boonmee (Thanapat Saisaymar) resolveu passar os últimos dias de sua vida recolhido em uma casa perto da floresta, ao lado de entes queridos. Durante um jantar com a família, o espírito de sua esposa falecida aparece para ajudá-lo em sua jornada final. A eles se junta Boonsong, filho de Boonmee, que retorna após muito tempo metamorfoseado em outra forma de existência. Juntos, eles percorrerão o interior de uma caverna misteriosa, onde Boonmee nasceu em sua primeira vida.

 

 

O Segredo das Águas, de Naomi Kawase (Japão, 2015, 120min, 16 anos)
A história acontece na ilha japonesa de Amami Oshima. Uma noite, Kaito (Nijirô Murakami) descobre um cadáver flutuando no mar. Sua namorada Kyoko (Jun Yoshinaga) vai tentar ajudá-lo a entender essa misteriosa descoberta. Juntos, os jovens, de apenas 16 anos, vão tentar entender a natureza cíclica da vida, amor e morte.

 

 

Finisterrae, de Sergio Caballero (Espanha, 2010, 80min) 
Dois fantasmas passeiam pelo Caminho de Santiago.

 

 

El Muerto y Ser Feliz, de Javier Rebollo (Espanha/Argentina/França, 2012, 92min, 16 anos)
Quando um assassino é levado para um hospital em Buenos Aires e descobre que está para morrer, foge em direção ao norte atravessando a fronteira do país. A história se desenvolve como uma história moderna de cavaleiro com peregrinações e escudeiros. O assassino corre contra o tempo tentando avançar o máximo possível.

 

 

La Jungla Interior, de Juan Barrero (Espanha, 2013, 75min, 16 anos)
Antes de sair em uma expedição científica pelo Pacífico, Juan leva a sua noiva, Gaia, para o interior onde passou a infância. Durante a visita, o casal fala sobre o futuro e as diferenças começam a surgir. Cinco meses depois quando Juan volta para casa descobre que sua vida mudará para sempre.

 

 

La Arteria Invisible, de Peré Vila i Barceló (Espanha, 2015, 119min)
Vinvenç, um político com aspirações à prefeito, é falsamente acusado de abusos sexuais. A sua mulher, Carmen, vive obcecada em ter um filho e está chateada com a vida que leva. A aparição de um jovem que há quinze anos quase faz parte de suas vidas ativará um processo que destruirá Vincenç profissional e pessoalmente.

 

 

Girimunho, de Helvecio Martins e Clarissa Campolina (Brasil, 2011, 90min, 10 anos)
Esta é a história de duas mulheres que observam os redemoinhos no rio, em pleno sertão mineiro. Uma delas perdeu o marido, e sofre em silêncio, tendo apenas as novidades dos netos como consolação. A outra carrega consigo um tambor, e marca o ambiente com seus sons.

 

 

O Estranho Caso de Angélica, de Manoel de Oliveira (Portugal, 2013, 95min, 18 anos)
Na Portugal da década de 1950, o fotógrafo Isaac (Ricardo Trêpa) vai à região do Douro para documentar antigos métodos de trabalho nas vinhas. Hospedado numa pequena pensão, ele é acordado subitamente à noite para fotografar o corpo de Angélica (Pilar López de Ayala), uma linda moça que acabara de falecer.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Neura
Grupo Bailarinos de Cristo Amor e Doação (BCAD)

 

 

Neura é um espetáculo de dança criado e desenvolvido pelo Grupo BCAD que tem sua base conceitual calcada nas neuroses geradas pela atual forma de viver. O ritmo frenético das necessidades sociais imprime no ser humano uma série de doenças físicas e mentais, descambando em sintomatologias que envolvem medo e culpa, reforçando o estresse, a apatia, a depressão que refletem na relação do ser humano consigo e com o outro. Neura é técnica, beleza, árduo trabalho em pesquisa de uma equipe comprometida com a vontade de realizar e levar ao público o sentido da dança como instrumento propulsor de um mundo melhor.

 

Dias 26 e 27 de fevereiro de 2016, às 20h30, no Teatro Dragão do Mar. Gratuito. Livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Recital e Feira Cordel com a Corda Toda
Realização: Associação de Escritores, Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará

 

 

Tão característica da cultura nordestina, a literatura de cordel tem lugar no Dragão do Mar. Venha conhecer clássicos e novos escritores, em recitais e feira.

 


Dia 28 de fevereiro de 2016, às 17h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CantArte


Projeto que tem o objetivo de oferecer música de vários estilos diferentes e aproximar a população da arte de cantar. As apresentações serão sempre gratuitas e acontecerão nas dependências do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Nesta edição, os gêneros jazz e blues serão levados ao palco.

 


Os artistas serão os alunos profissionais e amadores da Escola de Canto Maninha Motta, e com isso, cria-se uma oportunidade para surgir novos talentos cearenses.

 


O CanArte faz interseção também com o Projeto Vivência, ao levar ao palco as crianças atendidas pelo programa social. O projeto solidário acolhe crianças de 4 a 12 anos do bairro Vicente Pinzon, as quais recebem orientação gratuita na Escola de Canto Maninha Motta, uma vez por semana. Desde a sua criação, em 2014, o projeto já atendeu cerca de 500 crianças carentes.

 


Dia 28 de fevereiro de 2016, às 17h, no Auditório. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► 2 em Cena – Mostra Artística de Dança de Salão


“Dois em cena” é uma mostra que tem como objetivo promover um espaço para que os artistas da dança de salão possam apresentar ao público seus trabalhos e pesquisas artísticas, incentivando a criação de apresentações voltadas para palco com a dança de salão e tornando público o talento dos dançarinos locais com seus respectivos trabalhos.


Dia 28 de fevereiro de 2016, às 19h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia). Livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Show Humberto Teixeira 100 anos
OSUECE com participação de Adelson Viana, Calé Alencar, Marcos Caffé, Paulo Belim e Marina Cavalcante


A Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará - OSUECE, sob direção artística e regência do Maestro Alfredo Barros, apresenta arranjos para as composições do cearense Humberto Teixeira, letrista dos clássicos de Luiz Gonzaga.


Dia 28 de fevereiro, às 17h, na Praça Verde. Gratuito.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


TODA SEMANA NO DRAGÃO

 

 

Feira Dragão Arte
Feira de artesanato fruto da parceria com Sebrae-CE e Siara-CE.
Sempre de sexta a domingo, das 17h às 22h, ao lado do Espelho D'Água. Acesso gratuito.

 

 

Fuxico no Dragão
Atrações artísticas e uma feirinha com vinte expositores de produtos criativos agitam as tardes deste final de semana. A Temporada de Arte Cearense também leva para o projeto dominical performances e atrações musicais. Confira na programação acima.
Todo domingo, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 


 

 

PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO [novos horários]



Foto: Marina Cavalcante

 

O Planetário Rubens de Azevedo é um espaço de entretenimento e formação pedagógica através de caráter transdisciplinar em Astronomia. Ingressos: R$ 8 e R$ 4 (meia).

 

 

Sessões

O ABC do Sistema Solar
Três crianças estão observando as estrelas quando percebem uma "estrela cadente" e logo uma delas faz um pedido: o desejo de fazer uma viagem até a Lua. De repente, as crianças são teletransportadas para uma nave espacial chamada "Observador". Após superar o medo inicial, elas fazem uma rica viagem pelo Sistema Solar visitando os planetas. Durante a viagem, elas são teletransportadas para Marte e também Vênus, e passam por dentro dos anéis de Saturno. No final, fazem uma perigosa aproximação do Sol.

 

Origens da Vida
Apresenta as recentes descobertas sobre os princípios químicos da origem do Universo através do Big Bang. Trata das questões biológicas da origem da vida na Terra e das pesquisas sobre vida extraterrestre. Com linguagem simples e fantásticas imagens, a sessão apresenta os novos conhecimentos sobre o nascimento, vida e morte das estrelas e dos sistemas planetários. Traz um olhar sobre o início da vida na Terra e a extinção dos dinossauros. "Origens da Vida" é uma viagem fantástica através do tempo, mostrando muitas descobertas feitas no passado recente e faz uma alerta para nossa consciência planetária.

 

Sessões às sextas-feiras, aos sábados e domingos:
18h - O ABC do Sistema Solar - sessão infanto-juvenil
19h - Origens da Vida - sessão juvenil-adulto

 

Atenção:  É obrigatória a apresentação de documento que comprove o parentesco do responsável com a criança menor de 10 (dez) anos de idade no ato de compra do ingresso de qualquer evento/espetáculo do Centro Dragão do Mar. Esta é uma determinação da Justiça do Estado.

 

 

 

 

 

 


CINEMA DO DRAGÃO - FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO

 

A programação regular do Cinema do Dragão - Fundação é definida semanalmente, numa parceria entre a Fundação Joaquim Nabuco e a curadoria adjunta (Salomão Santana e Pedro Azevedo) e pode ser consultada na página www.dragaodomar.org.br.

 

Informações: 3219.5899
www.dragaodomar.org.br
programacaocinema@dragaodomar.org.br
Twitter: @cinemadodragao
Facebook: Cinema do Dragão-Fundação


Ingressos na Bilheteria do Cinema do Dragão -Fundação R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia). A bilheteria funciona de terça a domingo, das 14 às 22h.

 

 

Agilize a sua entrada! Ao comprar ingresso através do site ingresso.com, imprima o comprovante/ingresso de compra e dirija-se diretamente à entrada do Cinema do Dragão, sem necessitar fazer a troca na bilheteria. É mais prático e rápido. Experimente.

 

 

Também têm direito à meia da meia-entrada, no valor de R$ 3,00, estudantes da Escola Porto Iracema das Artes e da Escola de Artes Thomaz Pompeu Sobrinho e alunos de audiovisual do Centro Cultural Bom Jardim, da UFC, UNIFOR e da Vila das Artes, mediante apresentação de comprovante de matrícula.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MUSEU DA CULTURA CEARENSE – MCC

 


O Museu da Cultura Cearense é um museu etnográfico que tem como proposta promover a difusão, a fruição e a apropriação do Patrimônio Cultural do Estado do Ceará, aplicando ações museológicas de pesquisa, preservação e comunicação, visando à inclusão e ao desenvolvimento sociocultural.

 

 

 

 

 

 

► Ocupação do Museu da Cultura Cearense [Temporada de Arte Cearense]
Exposição Zona de Litígio

 

 

Zona de Litígio é uma exposição que parte de uma residência artística móvel realizada pelos artistas Adriele Freitas, Filipe Acácio, Júlia Braga, Juliane Peixoto, Patrícia Araujo e Samuel Tomé. Partindo de Fortaleza, o grupo percorreu quase 900km de estrada rumo à localidade de Oiticica, distrito que pertence a uma zona de disputa de terras entre os estados do Ceará e Piauí. Durante a viagem, um inventário poético foi desenvolvido a partir de observações, conversas e ações artísticas in loco.

 

A faixa de terra entre Ceará e Piauí está em disputa desde 1880, quando Dom Pedro II assinou um decreto em que o Ceará cedeu uma parte do seu mar para o Piauí. O problema afeta cerca 13 municípios cearenses e 7 piauienses ao longo de uma faixa de aproximadamente 450 km. A questão secular não parece ter uma solução próxima devido às inúmeras burocracias necessárias para redefinir a divisão das terras, dependendo da aprovação de um projeto de lei federal que ponha fim ao impasse.

 

Entendendo que a História não possui uma única voz e que não é capaz de abarcar um todo, Oiticica surge como possibilidade de invenção e ficcionalização sobre um lugar do entre - que não pertence nem ao Ceará nem ao Piauí. Constituída de restos e ruínas, está longe de ser um lugar apaziguador. É uma região ambígua, de separação, passagem e desaparecimento: aí que reside seu potencial poético e o desejo de transpor fronteiras.

 

Partindo da situação do limite, a exposição busca discutir pontos importantes para a arte contemporânea: que impasses políticos estão envolvidos na zona litigiosa? Como falar de um corpo exposto à margem? De que margem estamos falando? Como alargar as bordas que separam essas fronteiras? Que outros contextos Oiticica traz à tona?

 

Movidos por essas questões, os artistas assumiram durante o percurso o gesto de permanecer como fio condutor como meio de se demorar, de observar, de fruir, questionar e causar embates. Este, ao mesmo tempo, incitou processos artísticos (e, portanto, políticos).

 

A exposição “Zona de Litígio” é constituída por um conjunto de trabalhos desenvolvidos em colaboração entre os artistas e conta com instalações, desenhos, vídeos, fotografias e registros de performances.

 

Em cartaz até dia 17 de fevereiro de 2016, no Piso Intermediário do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito. Livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

► Exposição Vaqueiros

 

Foto: Marina Cavalcante

 

 

Exposição lúdica, de caráter didático, percorre o universo do vaqueiro a partir da ocupação do território cearense pela pecuária até a atualidade. Utiliza cenografia, imagens e objetos ligados ao cotidiano do vaqueiro.

 

Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exposição A Palavra e o Traço

 

 

Com curadoria da historiadora Valéria Laena, retrata vida e obra do arquiteto, urbanista e compositor cearense Fausto Nilo. Autor de mais de 400 composições interpretadas por grandes nomes da música brasileira – como Moraes Moreira, Gal Costa e Fagner –, Fausto Nilo é também o responsável, junto de Delberg Ponce de Leon, pelo projeto do Centro Dragão do Mar.

 

Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agendamento de grupos para visitas às exposições

 

Núcleo de Ação Educativa

 

Partindo das especificidades de um museu etnográfico, o Núcleo de Ação Educativa do MCC objetiva formar educadores para atender ao público agendado e espontâneo. Composto por uma equipe multidisciplinar, realiza mediações com as mais variadas temáticas relacionadas à cultura popular trazidas pelas suas exposições.

 

Mediações
Os educadores do MCC proporcionam três tipos de mediações aos seus visitantes:

 

  • Mediação simples: mediação rápida, mais orientadora, destinada ao público não agendado e espontâneo. Duração de até 20 min.
  • Mediação ampliada: mediação problematizadora, formadora, que instiga o visitante a refletir de forma crítica sobre a exposição. Duração de até 01h30min.
  • Mediação com oficina: mediação mais prolongada, pois além de ter como ponto central a reflexão, nesta visita atividades de arte-educação são vivenciadas. Por exemplo: teatro de fantoche, desenho, contação de história, roda de conversa e oficinas de acordo com a exposição em cartaz. Duração de até 2 horas.

 

 

O agendamento dos museus do CDMAC pode ser feito de segunda a sexta, das 9h às 17h.
Contato: (85)3488.8621
E-mail: agendamentomuseus@gmail.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Proposta de Acessibilidade para a exposição A Palavra e o Traço

 

A proposta de acessibilidade da exposição "A palavra e o traço" apresenta ao público experiências de percepção e exploração das narrativas e dimensão multissensorial da obra de Fausto Nilo (palavras, traços, volumes, formas, imagens, cores, áudios, sons, melodias), com a utilização dos seguintes recursos metodológicos: mediações acessíveis, oficinas de sensibilidade, intérprete de Libras nos dias de terça-feira e quarta-feira (14h às 17h), maquete tátil, mapas táteis, desenhos táteis, textos em Braille, audiodescrição, vídeos com janelas de Libras, dentre outros.

 


// Programação Educativa

As oficinas educativas são realizadas mediante prévio agendamento e apresentadas após a mediação com equipe do projeto Acesso na exposição.

 

Oficina "Praça do Ferreira: Você se Lembra?"
A oficina suscita reflexões sobre as principais mudanças e fatos históricos relacionados com o surgimento da Praça do Ferreira até os dias atuais, com destaque para o desenho arquitetônico do arquiteto Fausto Nilo.
Público: Alunos da Sociedade de Assistência aos Cegos (SAC) e Associação dos Cegos do Estado do Ceará (ACEC) e grupos agendados
Quando: de acordo com agendamento de grupos

 

Museu em suas mãos: Rimas e Retas
As atividades envolvem o professor e acontecem no ambiente escolar antes, durante e depois da visita à exposição, com o intuito de provocar a descoberta simbólica e afetiva que Fausto Nilo expressa na sua lírica e nos desenhos arquitetônicos.
Quando: Mensalmente
Público: alunos da Educação de Jovens e Adultos da ACEC

 

Agendamento para visita de grupos: de segunda à sexta, das 9h às 17h. Contatos: (85) 3488-8621 ou agendamento@dragaodomar.org.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO CEARÁ – MAC

 

 

 

 

Exposição Agricultura da Imagem

De Rodrigo Braga

 

 

O conceito cunhado pelo renomado artista canadense Jeff Wall que divide os fotógrafos em duas categorias, caçadores e agricultores, serviu de inspiração para o título da exposição de Rodrigo Braga, Agricultura da Imagem. Idealizada pelo ICCo - Instituto de Cultura Contemporânea e com curadoria de Daniel Rangel, a mostra estará em cartaz de 29 de outubro de 2015 a 24 de janeiro de 2016, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE), no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

 


A mostra itinerante foi considerada sucesso de público e de crítica em sua estreia no Sesc Belenzinho, São Paulo, tendo recebido cerca de 200.000 pessoas entre setembro e novembro de 2014, período em que ficou exposta.


“Segundo Wall o fotógrafo caçador captura imagens que encontra no mundo, já o agricultor constrói a imagem antes de fotografa-la. Um processo de trabalho realizado constantemente por Rodrigo que parece estar buscando imagens que já existem em sua cabeça, um eterno deja vu imagético”, destaca o curador.


Rodrigo nasceu no Amazonas em 1976, mudou-se para Pernambuco aos dois anos e vive no Rio de Janeiro desde 2011. O deslocamento entre esses três estados nos últimos quatro anos e sua experiência com os diferentes biomas e culturas de cada um é material para a maior exposição de sua carreira, com 30 fotografias, três vídeos e objetos encontrados nas investigações em campo.


Filho de biólogo, o artista se utiliza de um peculiar método de criação que marca sua trajetória artística: ele mergulha na natureza local mais inóspita em busca de cenários e elementos para compor suas fotos e realizar seus vídeos. A imersão em cada lugar dura geralmente um mês, em solidão, quando, como um bom agricultor de imagens, ele “aduba” as paisagens que vão compor as fotografias com elementos que encontra pelo caminho, como folhas, pedras e flores, e outros que compra em mercados e feiras locais, como carcaças de animais.

 

“Minhas fotos são fictícias, totalmente produzidas”, explica Braga, vencedor do Prêmio MASP Artista Emergente de 2013. “Exploro a região para encontrar inspiração e faço desenhos em meu caderno de croquis, que no futuro se transformarão no trabalho final”. Esses rascunhos estarão presentes na mostra, numa espécie de gabinete do artista, onde os visitantes descobrirão como funciona o processo criativo do artista.

 

 


Para a exposição, o fotógrafo explorou o Rio Negro, o litoral de Pernambuco e os cursos d’água do bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. “Trabalho com o conceito da mimesis, que significa representação em grego”, conta. Durante a concepção das fotografias, ele mistura os elementos e mostra como se complementam e se assemelham. “Um peixe pode se transformar numa folha, assim como uma folha pode se parecer com um peixe”, diz. Para a nova exposição, ele recolheu peixes descartados por pescadores ou encontrados na maré baixa. O uso das carcaças, uma marca em seu trabalho, também o ajuda a retratar o sentido cíclico da morte, de transformação e integração, tão marcante na natureza e presente nas obras de Agricultura da Imagem a partir de outubro.

 


Além das fotografias e do gabinete do artista, que de certa forma exibem este processo de construção de imagens de Rodrigo, três vídeos fazem parte da mostra. Segundo Rangel, “a relação de Rodrigo com a natureza é ainda mais direta na sua produção audiovisual. Ao fazer suas ações performáticas, que dão origem aos vídeos, ele busca um dialogo direto entre homem e natureza”.   

 


Sobre Rodrigo Braga

 


Nascido em Manaus, viveu em Recife, onde se graduou em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE. Possui obras em acervos como o do Museu de Arte Moderna do Rio, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM) de Pernambuco, no Museu de Arte Contemporânea do Paraná e na Maison Européene de la Photographie de Paris.

 


Seu trabalho transita entre a performance, a fotografia e o vídeo, onde frequentemente se coloca como personagem principal de sua obra, que tem forte relação com a natureza. Braga participou das últimas edições da Bienal Internacional de São Paulo e da Bienal de Cerveira, em Portugal. Em 2012, venceu o prêmio Pipa de Artes Visuais na categoria Voto Popular Exposição. Entre agosto e outubro de 2013, realizou uma residência artística na Residency Unlimited, no bairro do Brooklyn, em Nova York, como prêmio da bolsa ICCo/SP-Arte 2013.

 


Em cartaz até dia 24 de janeiro de 2016. Visitação aberta ao público, de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

 

 

 

 

 

► Exposição dos Laboratórios de Artes Visuais

 



O Instituto Dragão do Mar através do Porto Iracema das Artes e do Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE) apresenta o resultado dos projetos de pesquisa desenvolvidos em 2015: “Corpo Móvel”, de Sabyne Cavalcante com colaboração de Ramirez Gurgel, sob a orientação de Mariza Mokarzel; “Degenero”, de Henrique Viudez com colaboração de Ana Claúdia Araujo, sob a orientação de Cauê Alves; “Práticas de Fronteira”, de Flora Paim e Ivana Amorim, sob orientação de Ricardo Basbaum e “Notas para um atravessamento cartográfico”, de Haroldo Saboia com colaboração de Wanessa Malta, sob a orientação de Júlio Martins.

 

 

 

Corpo Móvel
artista Sabyne Cavalcanti
colaborador Ramirez Gurgel
tutora Marisa Mokarzel
Sabyne Cavalcanti franqueia o lugar onde mora, deixa abertas as portas do Mataquiri Museu para que a “relação com o plural do outro” torne-se plena, e assim estabeleça as trocas, possíveis no campo do afeto e da arte. Artista e mobílias integram-se na imaterialidade da memória, no cotidiano que se tece aberto ao fluxo de pessoas, sabedor da passagem do tempo.

 

 

 

Degenero
artista Luis Henrique Viudez
colaboradora Ana Claudia Araújo
tutor Cauê Alves 
Tendo sexualidade e seus desdobramentos como eixo central, Luis Henrique Viudez desconstrói noções binárias e normativas através de relatos e pinturas. O artista nos apresenta representações, onde gênero e identidade se confundem ou se desfazem.

 

 

 

Práticas de Fronteira
artistas Flora Paim e Ivana Amorim
tutor Ricardo Basbaum
O projeto consiste em uma investigação artística a partir das atividades da Feira na Rua José Avelino que ocorre no Centro da cidade de Fortaleza/CE. As artistas articulam sua pesquisa, enquanto práticas de fronteira, mobilizando a intervenção na produção de passagens entre os dois territórios (Feira e Museu) para aí abrir brechas, curto-circuitos e misturas.

 



Notas para um atravessamento cartográfico
artista Haroldo Saboia
colaboradora Wanessa Malta
tutor Júlio Martins 
Em “Notas para um atravessamento cartográfico”, o artista Haroldo Saboia elege palavras que nomeiam localidades cearenses e cujas possibilidades de significado irão acompanhar seu olhar pelas travessias e visitas que realiza. As viagens a VENTURA, SOLIDÃO e DESERTO, no interior do Ceará, são tentativas de desbravar os significados das palavras como se fossem geografias desconhecidas.

 



Visitação: de terça a sexta, das 9h às 19h (com acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (com acesso até as 21h30). Gratuito. Livre.

 

 

 

 

 

 

Ações Educativas

Mediação a partir dos conteúdos das exposições para público espontâneo e agendado. A equipe é formada por Arte Educadores - universitários multidisciplinares - que desenvolvem ações de mediação com Escolas, Projetos, Universidades, ONGs e demais instituições interessadas em visitar o Museu e conhecer mais sobre Arte Contemporânea.

 

O agendamento dos museus do CDMAC pode ser feito de segunda a sexta, das 9h às 17h.
Contato: (85)3488.8621
E-mail: agendamentomuseus@gmail.com

 

 

 

 

 

 

Biblioteca de Artes Visuais Leonilson

Espaço especializado em artes visuais com cerca de dois mil livros nas áreas de Fotografia, Design, Museologia, História da Arte, Arquitetura e Urbanismo, Moda e Arte Contemporânea.

Serviço gratuito, de terça a sexta, das 9h às 18h.

 

 

 

 

 

 

 

 

INTERVENÇÃO

 

 

 

► Intervenção em espaços externos – Fotografia [Temporada de Arte Cearense]
Epiceno

 

Descrição: http://www.dragaodomar.org.br/images/rasgados_g.png



“O gênero se converte em inteligível através dos signos que indicam como o mesmo deveria ser lido ou compreendido. Estes indicadores corporais são os meios culturais através dos quais se lê o corpo sexuado". (Judith Butler)



O que é o gênero? Como nós o construímos? Como o identificamos e assumimos? Quais os valores que associamos a ele? Essas perguntas permeiam as imagens produzidas. O projeto constitui um exercício em que cada um é convidado a refletir sobra sua identidade sexual. O resultado são fotografias que pertencem ao nosso imaginário coletivo e conformam uma sátira ao mesmo. Ao isolar o par “masculino/feminino” de cada um em uma única imagem, se evidencia o quão arraigadas estão as condutas tradicionais de gênero.



Em frente à Varanda do MCC. Gratuito. Visitação aberta.

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

CENTRO DRAGÃO DO MAR DE ARTE E CULTURA

Rua Dragão do Mar 81, Praia de Iracema - CEP: 60060-390 - Fortaleza/CE - CNPJ: 02.455.125/0001-31
Informações gerais: 55 (85) 3488 8600 / 55 (85) 3488 8608